Animação Sociocultural no 1º ciclo como Promotora da Integração e Sucesso Escolar

Bruno Miguel Martins Calheiros Trindade, Ricardo Pocinho, Maria José Rodríguez Conde

Resumen


Resumo

 

O presente artigo tem como objetivo mostrar a perspetiva pedagógica da relação entre a Animação Sociocultural e o educar, verificando qual a perceção que os alunos e docentes revelam sobre a mesma. A animação Sociocultural é relevante no desenvolvimento da criança, pois valorizando o brincar, previne conflitos e favorece as relações sociais. Na escola, esta inter-relação com o brincar faz com que a ação da Animação Sociocultural aplicada à educação ajude a construir a personalidade da criança, instruindo normas e regras de socialização de maneira lúdica. Assim, o presente estudo procurou demonstrar qual o valor que a Animação Sociocultural tem na integração e sucesso escolares, na perceção dos próprios alunos e respetivos docentes do Ensino Básico.

 Desta forma, foi implementado o Programa TEIP no Agrupamento de Escolas Nunes Álvares em Castelo Branco. Pretendeu-se verificar se os alunos do 1º Ciclo consideram importante a relação entre a Animação Sociocultural e o ensino curricular com o objetivo de promover a integração e sucesso escolares. Após a participação de 439 alunos e 36 docentes, verificou-se que a relação entre a animação e o educar é relevante e positiva, sendo vista como promotora e facilitadora do sucesso e integração escolar.

 

 


Palabras clave


animación, educación, integración escolar, éxito escolar, enseñanza, alumnos, interrelaciones, actividades socio-culturales.

Texto completo:

PDF

Referencias


Ander-Egg, E. (2006). El Léxico del animador. Grupo Editorial Lumen Hvmanitas.

Babo, A. (2010). A actividade lúdica: um instrumento de inclusão da criança com necessidades educativas especiais. En M.S. Lopes y M. S. Peres (Coords.). Animação sociocultural e necessidades educativas especiais (pp.14-22). Chaves: Intervenção Associação para a Promoção e Divulgação Cultural.

Barbosa, F. (2006). Tempo livre, tempo de anima. Em A.N. Peres y M. S. Lopes (Coord.). Animação, cidadania e participação (pp.118-123). Edição da APAP.

Besnard, P. (1991). A Animação Sociocultural. Paidós Educador.

Hernández, S. M. (2013). El Educador Social y la escuela. Justificación de la necesidad de la Educación Social en la escuela. Revista de Educación Social,16, 1-16. https://bit.ly/2XW0yLg

Jardim, J. y Pereira, A. (2006). Competências pessoais e sociais: Guia prático para a mudança positiva. Edições ASA.

Lopes, M. S. (2006). Animação sociocultural em Portugal. Editora Intervenção Associação para a Promoção e Divulgação Cultural.

Lopes, M., Galinha, A. y Loureiro, M. (2010). Animação e bem-estar

psicológico. Metodologias de intervenção sociocultural e educativa, Editora Intervenção.

Macedo, L., Petty, A., y Passos, N. (2005). Os jogos e o lúdico na aprendizagem. Artmed.

Oliveira, V. B. (2000). O Brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Vozes.

Ribeiro, P. S. (2002). Jogos e brinquedos tradicionais. Em Santos. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. 7ª Edição. Vozes.

Santos, S. (2002). O Lúdico na formação do Educador. 5ª ed. Vozes.

Trilla, J. (1998). Animação Sociocultural: teorias, programas e âmbitos. Instituto Piaget.

Vygotsky, L. S., Luria, A. R. y Leontiev, A. N. (1998). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Ícone/Editora da Universidade de São Paulo.

Ytarte, R. M. (2007). Cidadania e educação social cidadania e participação a partir da animação sociocultural. Em AN Peres y M. S. Lopes (Coord.). Animação sociocultural e os novos desafios (pp.167-179). Edição APAP.




DOI: https://doi.org/10.12795/https://doi.org/10.12795/CP.2020.i29.07

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International (CC BY-NC-ND 4.0)

Reconocimiento – NoComercial (by-nc):Se permite la generación de obras derivadas siempre que no se haga un uso comercial. Tampoco se puede utilizar la obra original con finalidades comerciales.Esta licencia permite la reproducción y difusión de los contenidos de la revista con fines educativos o de investigación, sin ánimo de lucro, siempre y cuando éstos no se modifiquen, se citen autoría y procedencia (Cuestiones Pedagógicas. Revista de Ciencias de la Educación). Se permite copiar, distribuir, exhibir los textos e imágenes de la revista, de acuerdo con estas condiciones: Reconocimiento No Comercial No derivados. Se permite y se invita a los/as autores/as a ampliar la visibilidad, alcance e impacto de sus artículos publicados en la revista mediante auto-archivo en espacios web personales, archivos abiertos institucionales, redes sociales de naturaleza académica y científica.

Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International (CC BY-NC-ND 4.0)

Las revistas alojadas en la plataforma de Open Journal Systems de la Universidad de Sevilla, en el dominio revistascientificas.us.es. Con el fin de asegurar un archivo seguro y permanente para la revista, la Universidad de Sevilla realiza una copia de seguridad cada 24 horas. Ello permite a todas las revistas electrónicas de la Universidad de Sevilla archivar y conservar sus contenidos, preservándolos de cualquier eventualidad. Si el contenido de alguna revista se pierde o se corrompe puntualmente, la Universidad de Sevilla acude a sus copias de seguridad diarias para recuperarlos.