Paradoxo no sistema: o mundo de porteiras abertas, mas fronteiras fixadas no Facebook

Êmili Adami Rossetti

Resumen


Esta investigação une os estudos em comunicação social acerca das tecnologias digitais de informação e comunicação, com foco principalmente nas interações em mídias digitais, com pensamentos filosóficos sobre a construção do conhecimento. Aqui acessamos o paradigma da complexidade e a fenomenologia da percepção, representados respectivamente pelo pensamento de Edgar Morin e Maurice Merleau-Ponty, para apontar que o conhecimento é um construto do homem conforme sua experiência. É, portanto, contextual, histórico e perceptual, não o contrário, como sugere a ciência moderna em seu intuito de extrair a verdade das coisas. Tendo como base discussão, voltamo-nos ao Facebook, maior mídia social digital da atualidade, para vê-lo como viabilizador de intercâmbio de informações e como meio de que possibilita a transcendência das limitações de espaço e de tempo em que se encontram os corpos dos participantes das interações comunicacionais. Partimos da ideia de que essa plataforma pode ser vista como uma possibilitadora de expansão das vivências do sujeito no espaço e no tempo, levando-os a pensar novas realidades, que são integradas à construção do conhecimento. Mas, paradoxalmente, as informações são organizadas e o acesso a elas é limitado pela corporação Facebook, que, além disso, provém dados sobre seus usuários para manipulação de mensagens por parte de anunciantes, o que vai balizar o conhecimento de mundo construído e limitar a liberdade do usuário.


Palabras clave


Complexidade; Fenomenologia da percepção; liberdade; Facebook

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Alexa. (16 de outubro de 2017). Alexa, an Amazon company. Fonte: Alexa: https://www.alexa.com/topsites

Cambridge Analytica. (15 de outubro de 2017). Fonte: Cambridge Analytica: https://cambridgeanalytica.org/

Castells, M. (2004). A Galáxia Internet. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Concordia Summit. (27 de setembro de 2016). The power of Big Data and Psychographics. Online. Acesso em 23 de dezembro de 2017, disponível em https://www.youtube.com/watch?v=n8Dd5aVXLCc

Facebook. (27 de outubro de 2017a). Centro de ajuda. Fonte: Facebook: https://www.facebook.com/help/285625061456389?helpref=uf_permalink

Facebook. (23 de outubro de 2017b). Alcance orgânico no Facebook: suas dúvidas respondidas. Fonte: Facebook: https://www.facebook.com/business/news/BR-Alcance-organico-no-Facebook-suas-duvidas-respondidas

Facebook. (23 de outubro de 2017c). Cookies e outras tecnologias de armazenamento. Fonte: https://www.facebook.com/policies/cookies/

Facebook. (25 de Outubro de 2017d). Marketing baseado em pessoas: planejamento e medição priorizando as pessoas. Fonte: Facebook IQ: https://www.facebook.com/iq/articles/the-future-of-marketing-people-based-planning-and-measurement

Facebook. (23 de outubro de 2017e). Facebook para empresas. Fonte: Site do Facebook: https://www.facebook.com/business/products/ads

Facebook. (15 de outubro de 2017f). Facebook Newsroom. Fonte: https://newsroom.fb.com/company-info/

Fang, I. (1997). AHistory of mass communication: six information revolutions. Oxford, United Kingdom: Butterworth-Heinemann.

Kern, M. L., Park, G., Eichstaedt, J. C., Schwartz, H. A., Sap, M., Smith, L. K., & Ungar, L. H. (8 de agosto de 2016). Gaining Insights From Social Media Language:. Psychological Methods, pp. 1-19. doi:10.1037/met0000091

Leiner, B. M., Kahn, R. E., Postel, J., Cerf, V. G., Kleinrock, L., Roberts, L. G., & Wolff, S. (outubro de 2009). A brief History of the Internet. ACM SIGCOMM Computer Communication Review, pp. 22-31.

McLuhan, M. (1969). Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix.

Mediakix. (16 de outubro de 2017). Mediakix. Fonte: How much time is spent on social media?: http://mediakix.com/2016/12/how-much-time-is-spent-on-social-media-lifetime/

Merleau-Ponty, M. (1999). Fenomenologia da Percepção (2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Morin, E. (1977). O método: 1. a natureza da natureza (2 ed.). Portugal: Europa - América.

Morin, E. (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro (2 ed.). Brasília: UNESCO.

Morin, E. (2011). Introdução ao pensamento complexo (4ª ed.). Porto Alegre: Sulina.

Moz. (18 de outubro de 2017). Moz. Fonte: Moz: https://moz.com/top500

Nóbrega, T. P. (2008). Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia, pp. 141-148.




DOI: https://doi.org/10.12795/Ambitos.2019.i45.08

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



© Ámbitos. Revista Internacional de Comunicación. Fundada por el Prof. Dr. Ramón Reig en 1998.

ISSN versión impresa: 1139-1979 ISSN versión electrónica: 1988-5733 Depósito Legal: SE-1493-98

Licencia de Creative Commons

La Universidad de Sevilla se reserva todos los derechos sobre el contenido de las revistas científicas editadas por ésta. Los respectivos textos no pueden ser utilizados, distribuirse, comercializarse, reproducirse o transmitirse por ningún procedimiento informático, electrónico o mecánico con ánimo de lucro, directo o indirecto, ni tampoco incluirse en repositorios ajenos, sin permiso escrito de la Editorial Universidad de Sevilla. Podrán ser usados y citados para fines científicos y referenciados sin transformación para usos académicos, indicándose en todo caso la autoría y fuente, pudiendo para ello remitir al correspondiente enlace URL de Internet.

Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International (CC BY-NC-ND 4.0)

Las revistas alojadas en la plataforma de Open Journal Systems de la Universidad de Sevilla, en el dominio revistascientificas.us.es. Con el fin de asegurar un archivo seguro y permanente para la revista, la Universidad de Sevilla realiza una copia de seguridad cada 24 horas. Ello permite a todas las revistas electrónicas de la Universidad de Sevilla archivar y conservar sus contenidos, preservándolos de cualquier eventualidad. Si el contenido de alguna revista se pierde o se corrompe puntualmente, la Universidad de Sevilla acude a sus copias de seguridad diarias para recuperarlos.