DESIGN INCLUSIVO DE INTERFACE DE APLICATIVOS DIRIGIDOS A ANALFABETOS FUNCIONAIS
PDF

How to Cite

Rodrigues Martins, D., Santana dos Santos Garcia, M., Herarth, H. H., & Maciel, A. C. (2019). DESIGN INCLUSIVO DE INTERFACE DE APLICATIVOS DIRIGIDOS A ANALFABETOS FUNCIONAIS. IROCAMM - International Review Of Communication And Marketing Mix, 2(2), 7–12. Retrieved from https://revistascientificas.us.es/index.php/IROCAMM/article/view/11014

Abstract

Neste artigo, destacamos aspectos de uma investigação que busca construir um design inclusivo, o qual possa apoiar o desenvolvimento de um protótipo de aplicativo destinado a melhorar os níveis de escrita e leitura de analfabetos funcionais – do nível rudimentar. Este estudo é o resultado das ações realizadas no Grupo de Estudo "Educação híbrida, metodologias e objetos de aprendizagem digital em ambientes de mobilidade", do Mestrado em Educação e Novas Tecnologias – de uma instituição privada brasileira de ensino superior. A ideia é elaborar pressupostos de design de inclusão que possam direcionar a criação de um aplicativo com funções que abranjam o perfil e a condição de analfabetos funcionais, os quais têm carências de competências em leitura, têm baixa autoestima para enfrentar o desafio de aprender, e apresentam deficiências operacionais para o uso de dispositivos móveis e seus aplicativos. A metodologia aplicada neste estudo baseia-se no levantamento de narrativas pessoais desse público-alvo, que revela necessidades de comunicação verbal, as quais podem ser planejadas de maneiras interativas no design do aplicativo. Os autores que suportam este estudo têm trabalhado com conceitos de gamificação, design instrucional, cognição, aprendizado mediado por interfaces móveis, entre outros, como Concepción (2016), Santana et al. (2012) e Garcia (2016).

PDF

References

AKHRAS, Fábio N. A inclusão social como um projeto científico: uma ontologia. In Revista Ibict. Brasília, DF, v. 4 n. 2, p. 25-37, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1654>. Acesso em: 30/06/2019.

CONCEIÇÃO, L. S. E. Baixo letramento e novas mídias digitais: A experiência de indivíduos com baixo letramento em redes sociais e comunicadores instantâneos. Dissertação de Mestrado, PUC-RJ-RJ, 2016.

GARCIA MADRUGA, J. A & MARTIN CORDERO, J. I. Aprendizaje, Compreension y Retención de textos. Madrid, UNED, 1987.

GARCIA, Marilene S. S (2016). Design de Aplicativos Mobile para a Aprendizagem de Língua. EaD Em FOCO, 6 (1), 2016. doi:http://dx.doi.org/10.18264/eadf.v6i1.371.

INAF. Instituto Nacional de Alfabetismo Funcional. Indicador de Alfabetismo Funcional, 2018. Disponível em: <https://www.ipm.org.br/relatorios>. Acesso em: 01 maio 2019.

MAUCH, W; et al. Terceiro relatório global sobre aprendizagem e educação de adultos. Brasília: UNESCO, 2016. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002470/247056por.pdf>. Acesso em: 18/05/2018.

PIAGET, Jean. O diálogo com a criança e o desenvolvimento do raciocínio. São Paulo: Scipione, 1997.

SANTANA, Christiano S. F. et al. Aplicando traços de acessibilidade e usabilidade web móvel. In Revista GEINTEC. Vol. 2, número 5, p. 445 – 464, 2012. Disponível em: <http://ww.w.revistageintec.net/index.php/revista/article/viewFile/68/140>. Acesso em: 30/06/2019.

STERNBERG, Robert J. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

Downloads

Download data is not yet available.