Mediação parental no uso do YouTube: Um estudo de caso no Brasil

Autores/as

  • Laura Palazi Amorim Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas
  • Carolina Soares Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas
  • Julia Poloniato Tesche Oliveira Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas
  • Diego Sebastião de Deus Faculdad de Filosofia e Ciências Humanas – FAFICH/UFMG
  • Adinan Nogueira Pontifícia Universidade Católica – PUC Minas

DOI:

https://doi.org/10.12795/Ambitos.2023.i60.09

Palabras clave:

crianças, nativos digitais, mediação parental, Youtube

Resumen

Este estudo de caso teve o objetivo de compreender de que maneira as famílias se portam mediante o consumo de conteúdo das (os) filhas (os) na plataforma YouTube. Trata-se de uma pesquisa descritiva quantitativa. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário on-line que foi aplicado a pais de alunos de colégios públicos e particulares da cidade de Poços de Caldas, em Minas de Gerais, no Brasil. Como referencial teórico, discutiu-se a presença da infância nos meios digitais na contemporaneidade, por meio do comportamento das crianças descritas com base nos direcionamentos de Tomé e Borges (2019), dada a relevância em desvendar de que modo os pais monitoram e medeiam este processo; assim como os estilos parentais de Baumrind (1991), no sentido de identificar qual tipo de comportamento dos responsáveis foi mais presente entre as respostas e resultados elucidados. Além disso, discutiu-se a necessidade do desenvolvimento de competências midiáticas por parte das crianças com base em Potter (2015). Partiu-se da hipótese de que haveria diferenças na mediação e estilos parentais a partir de questões socioeconômicas e de gênero. A análise estatística dos dados e das variáveis mostrou que a principal diferença na mediação está relacionada ao gênero: já que as mães possuem maior participação na mediação das crianças e se caracterizam por administrar uma responsabilidade simbólica acerca do comportamento delas na plataforma; enquanto os pais possuem uma responsabilidade material no sentido de fornecer às (aos) filhas (os) dispositivos tecnológicos digitais que lhes permitem acessar e navegar pela rede.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Laura Palazi Amorim, Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas

Publicidad por Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas

Carolina Soares, Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas

Carolina Yuki Hara Soares é publicitária pela Pontifícia Universidade Católica – PUC Minas.

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5250-9018

Julia Poloniato Tesche Oliveira, Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas

Julia Poloniato Tesche Oliveira é publicitária pela Pontifícia Universidade Católica – PUC Minas.

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6336-4555

Diego Sebastião de Deus, Faculdad de Filosofia e Ciências Humanas – FAFICH/UFMG

Diego Sebastião de Deus é mestrando em Comunicação pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas – FAFICH/UFMG. Jornalista pelo Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino – FAE. Foi bolsista do Programa de Iniciação Científica pela mesma insitituição. Se debruça acerca dos estudos em comunicação e práticas sociais, com foco em desinformação.

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1487-852X

Adinan Nogueira, Pontifícia Universidade Católica – PUC Minas

Publicidad por la FAAP, cuenta con posgrado en Gerencia de Estrategia de Mercadeo por la PUC-MINAS. Doctor en Ciencias de la Comunicación por la Universidade Lusófona (Lisboa/Portugal), director de la Agência Cervantes Montenegro y profesor de la PUC Minas y UNIFAE.

Citas

Agência Brasil (2021, 25 noviembre). Estudo mostra que pandemia intensificou uso das tecnologias digitais. https://bit.ly/3LdI6bt

Araujo, D. K. (2019). Entre “likes” e postagens: Conteúdos acessados e veiculados no YouTube por crianças do 4º ano dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Pedagogia da Universidade Federal da Paraíba. https://bit.ly/3J8kh1P

Barbosa-da-Silva, M., Borges, G., Fantin, M., Almeida Pimenta, M. A., & Aguaded, I. (2021). Competência midiática em crianças de 9 a 12 anos em cenários brasileiros. Intercom: Revista Brasileira De Ciências Da Comunicação, 44(1), 21-45.

https://doi.org/10.1590/1809-5844202111

Baumrind, D. (1991). The influence of pareting style on adolescent competence and substance use. The Journal of Early Adolescence, 11(1), 56-95.

https://doi.org/10.1177/0272431691111004

Beiguelman, G. (2021). Políticas da imagem: vigilância e resistência na dadosfera. Ubu.

Brito, R. (2018). Estilos de mediação do uso de tecnologias digitais por crianças até aos 6 anos. Da Investigação às Práticas, 8(2), 21-46.

https://doi.org/10.25757/invep.v8i2.155

Brito, R., & Dias, P. (2017). Crianças até 8 anos e Tecnologias Digitais no Lar: Os pais como modelos, protetores, supervisores e companheiros. Observatorio (OBS*), 11(2), 72–90.

https://doi.org/10.15847/obsOBS11220171072

Böing, E., & Crepaldi, M. (2016). Relação pais e filhos: Compreendendo o interjogo das relações parentais e coparentais. Educar em Revista, 32(59), 17–33.

https://doi.org/10.1590/0104-4060.44615

Carlson, L., Laczniak, R. N., & Wertley, C. (2011). Parental style: The implications of what we know (and Think we Know). Journal of Advertising Research, 51(2), 427–435.

https://doi.org/10.2501/JAR-51-2-427-435

Cardoso, J., & Verissimo, M. (2013). Estilos parentais e relações de vinculação. Análise Psicológica, 31(4), 393–406. https://bit.ly/3T3NYWC

Castro, T. S. (2021). Cuidado com quem você fala na internet: Medicação parental pelo olhar de pré-adolescentes. Cadernos CEDES, 41(113), 4–13.

https://doi.org/10.1590/cc231361

Clark, L. S. (2011). Parental Mediation Theory for the Digital Age. Communication Theory, 21(4), 323–343.

https://doi.org/10.1111/j.1468-2885.2011.01391.x

Creswell, J. W. (1998). Qualitative inquiry and research design: choosing among five traditions. Sage.

Delgado-Ponce, A. y Pérez-Rodrigues, M. A. (2018). La competencia mediática. En R. García-Ruiz, A. Pérez-Rodríguez y A. Torres (Eds.), Educar para los nuevos medios (pp. 13–25). Editorial Universitaria Abya-Yala. https://dspace.ups.edu.ec/handle/123456789/17049

Estatuto da Crianca e do Adolescente, Lei 8.069 – 1990 (2009). Lamparina.

Ferraz, A. R. da R. S. (2019). A utilização da internet feita por crianças com idade entre 5 e 10 anos. Universidade Federal de Alagoas. https://bit.ly/3Jaf6OY

Ferreira, J. E. H. Mc. (2013). O papel da criança no processo de compra da família [Dissertação de mestrado]. Universidade do Algarve. https://bit.ly/3YEGrPd

Ferrés, J. y Piscitelli, A. (2012). La competencia mediática: Propuesta articulada de dimensiones e indicadores. Comunicar, 19(38), 75–82.

https://doi.org/10.3916/C38-2012-02-08

Fontenelle, L. (2015). A onipresente publicidade infantil na internet. Outras palavras, jornalismo de profundidade e pós-capitalismo. https://bit.ly/3LhvFv5

Gonçalves, M. C. (2009). Propaganda e Publicidade. IESDE Brasil. https://bityli.com/zNCcj8

Grizólio, T. C., & Scorsolini-Comin, F. (2020). Como a mediação parental tem orientado o uso de internet do público infanto-juvenil? Psicologia Escolar e Educacional, 24.

https://doi.org/10.1590/2175-35392020217310

Lee, S. J., & Chae, Y. G. (2007). Children’s Internet use in a family context: Influence on family relationships and parental mediation. Cyberpsychology & Behavior, 10(5), 640–644.

https://doi.org/10.1089/cpb.2007.9975

Livingstone, S., & Bober, M. (2004). UK children Go Online: Surveying the experiences of young people and their parents. London School of Economics and Political Science. http://eprints.lse.ac.uk/395/

MacGill, A. (2007, 24 outubro). Parent and Teen Internet Use. Pew Research Center. https://pewrsr.ch/3YIxxzX

Maidel, S., & Vieira, L. M. (2015). Mediação parental do uso da internet pelas crianças. Psicologia em Revista, 21(2), 293–313.

Mondin, E. M. C. (2008). Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26(54), 233–244. https://periodicos.pucpr.br/psicologiaargumento/article/view/19885

Nathanson, A. I. (1999). Identifying and Explaining the Relationship Between Parental Mediation and Children’s Aggression. Communication Research, 26(2), 124–143.

https://doi.org/10.1177/009365099026002002

Passarelli, B., Junqueira, A. H., & Angeluci, A. C. B. (2014). Os nativos digitais no Brasil e seus comportamentos diante das telas. Matrizes, 8(1), 159–178.

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v8i1p159-178

Paiva, R. N. de, Kanai, J., & Fontanini, P. S. P. (2020). Um estudo de gestão de facilidades em um campus sustentável baseado em internet das coisas e inteligência ambiental. Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, 18(1), 1–8.

https://doi.org/10.46421/entac.v18i.1016

Prensky, M. (2001). Digital Natives, Digital Immigrants Part 1. On the horizon, 9(5), 1-6.

https://doi.org/10.1108/10748120110424816

Potter, W. J. (2015). Introduction to Media Literacy. SAGE Publications.

Potter, W. J., & Riddle, K. (2007). A content analysis of the media effects literature. Journalism & Mass Communication Quarterly, 84(1), 90-104.

https://doi.org/10.1177/107769900708400107

Schmidt, S. (2012). Mídia e consumo infantil: Um desafio da comunicação e educação. IX ANPED Sul. Seminário de pesquisa em educação da região sul.

Serrão, B. O., Sarmento, M. J., & Santana, J. P. (2022). O ativismo digital das crianças em tempos de pandemia. Educação & Sociedade, 43.

https://doi.org/10.1590/es.257004

Sobchack, V. (1994). The scene of the screen: envisioning cinematic and electronic “presence”. In H. U. Gumbrecht & K. L. Pfeiffer (Eds.), Materialites of communication (pp. 83–106). Stanford University Press.

Tomé, H. L., & Borges, G. (2019). A infância no YouTube: uma análise da produção de conteúdo do canal “Planeta das Gêmeas”. XXIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste – Vitória. https://bit.ly/3FcZB7M

Yin, R. K. (2005). Estudos de caso: Planejamento e métodos. Bookman.

Publicado

2023-04-15

Cómo citar

Palazi Amorim, L., Soares, C. Y. H., Poloniato Tesche Oliveira, J., de Deus, D. S., & Nogueira, A. (2023). Mediação parental no uso do YouTube: Um estudo de caso no Brasil. Ámbitos. Revista Internacional De Comunicación, (60), 168–186. https://doi.org/10.12795/Ambitos.2023.i60.09

Número

Sección

ARTÍCULOS
Visualizaciones
  • Resumen 275
  • PDF (Português (Brasil)) 84
  • XML (Português (Brasil)) 18