As contradições discursivas sobre a mulher no contexto político brasileiro

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.12795/Ambitos.2023.i61.03

Palabras clave:

visibilidade midiática, pandemia, semiótica, interseccionalidade

Resumen

O estudo tem por objetivo analisar as valências simbólicas que são acionadas nas reportagens publicadas em sites governamentais de cinco Estados brasileiros (São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Bahia e Pernambuco), durante atos iniciais de vacinação contra a Covid‑19, quando se verifica questões de raça e gênero com foco nas mulheres e sua posição na sociedade. Esses mesmos locais apresentaram os maiores índices de feminicídio nos últimos 11 anos, de acordo com o levantamento feito pelo Atlas da Violência, o que nos leva a discutir as contradições entre o mundo encenado e o mundo real. Com base nos conceitos da semiótica discursiva, plástica e figurativa de Algirdas Julien Greimas, identificamos elementos disfóricos em meio a um cenário de representações que buscam a visibilidade de um “Estado Presente”, colocando as mulheres no “centro” dos discursos políticos e midiáticos, mas que não encontram aderência na efetividade das políticas públicas voltadas para este segmento, suscitando, assim, a percepção de um “Estado Ausente”. As polifonias identificadas trazem à luz essas fragilidades e contradições que são discutidas ao longo do texto, buscando compreender como a diversidade de relações permeiam os discursos de agentes de estado que se utilizam de “oportunidades” da dinâmica social, como a Pandemia, para traçar estratégias de comunicação e formatar sua imagem‑conceito no imaginário social, a partir de possibilidades que podem ser construídas e desconstruídas em um contexto político dinâmico e interativo no que tange às questões de gênero.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Pedro Farnese, Universidade Paulista – UNIP

Doctoranda en el Programa de Postgrado en Comunicación y Cultura Mediática de la Universidad Paulista (UNIP), con una beca Capes, y periodista efectiva en IF Sudeste MG.

Janete Monteiro Garcia, Universidade Paulista (Unip)

Doctoranda del Programa de Postgrado en Comunicación y Cultura Mediática de la Universidad Paulista (UNIP), con beca Capes.

Carla Montuori Fernandes, Universidade Paulista (Unip)

Profesora titular del Programa de Postgrado en Comunicación y Cultura Mediática de la Universidad Paulista (UNIP). Tiene un posdoctorado en Comunicación Política por la Universidad de Valladolid (España) y en Ciencias Sociales por la Pontificia Universidad Católica de São Paulo (PUC-SP).

Paolo Demuru, Universidade Paulista (Unip)

Profesor titular del Programa de Postgrado en Comunicación y Cultura Mediática de la Universidad Paulista (UNIP). Doctor en Semiótica por la Universidad de Bolonia (Italia) y en Semiótica y Lingüística General por la Universidad de São Paulo (USP).

Citas

Adorno, L. (2021, 17 de janeiro). Enfermeira de SP, negra e moradora de Itaquera, é 1ª vacinada no Brasil. UOL Notícias. Recuperado em 10 de fevereiro, 2021, de https://​noticias​.uol​.com​.br/​saude/​ultimas‑noticias/​redacao/​2021/​01/​17/​enferm​eira‑de‑sp​‑negra‑mor​adora‑de‑i​taquera‑e‑​1‑vacinada​‑no‑brasil​.htm

Agência Senado (2023, 20 de abril). Nova lei determina proteção imediata à mulher que denuncia violência. Agência Senado. Recuperado em 29 de maio, 2023, de https://​www12​.senado​.leg​.br/​noticias/​materias/​2023/​04/​20/​nova‑lei​‑determina​‑protecao‑​imediata‑a​‑mulher‑qu​e‑denuncia​‑violencia

Amorozo, M., Mazza, L., & Buono, R. (2020, 30 de janeiro). No Brasi, só 7% das cidades têm delegacias de atendimento à mulher. Folha de S. Paulo. https://​piaui​.folha​.uol​.com​.br/​no‑b​rasil‑so‑7​‑das‑cidad​es‑tem‑del​egacias‑de​‑atendimen​to‑mulher/​

Anvisa. (2021, 12 de julho). Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Portal Gov.br. https://​www​.gov​.br/​pt‑br/​orgaos/​agencia‑na​cional‑de‑​vigilancia​‑sanitaria

Araújo, J. B. (2011). Gênero, sexualidade e identidades sexuais – um diálogo entre Joan Scott e Judith Butler. En Anais do II Simpósio Internacional de Educação Sexual – SIES. Gênero, direitos e diversidade sexual: trajetórias escolares, Maringá, Paraná. http://​www​.sies​.uem​.br/​trabalhos/​2011/​121​.pdf

Baldissera, R. (2009). A teoria da complexidade e novas perspectivas para os estudos de comunicação organizacional. En M. M. K. Kunsch, (org.), Comunicação organizacional: histórico, fundamentos e processo (Vol. 1, pp. 135–164). Saraiva.

Biroli, F., & Miguel, L. F. (2015). Gênero, raça, classe: Opressões cruzadas e convergências na reprodução das desigualdades. Mediações – Revista de Ciências Sociais, 20(2), 27‑55. https://​doi​.org/​10​.5433/​2176‑6665​.2015v20n2p27. https://​www​.uel​.br/​revistas/​uel/​index​.php/​mediacoes/​article/​view/​24124

Bourdieu, P. (1987). Choses dites. Minuit.

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Difel.

Bourdieu, P. (2011). O Campo Político. Revista Brasileira de Ciência Política, (5), 193–216. https://​doi​.org/​10​.1590/​S01​03‑3352201​1000100008

Senado Federal. (2011). Lei Maria da Penha (2006) e Legislação Correlata. Subsecretaria de Edições Técnicas.

Brasil de Fato. (2020, 28 de agosto). Cantor gospel, Cláudio Castro, assume governo do Rio após afastamento de Witzel, Brasil de Fato. https://​www​.brasildefato​.com​.br/​2020/​08/​28/​ca​ntor‑gospe​l‑assume‑g​overno‑do‑​rio‑apos‑a​fastamento​‑de‑witzel

Brasil Escola. (2022). Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). UOL. https://​brasilescola​.uol​.com​.br/​curiosidades/​fundacao‑​oswaldo‑cr​uz‑fiocruz​.htm

Bratosin, S., & Tudor, M. H. (2021). Comprendre la communication publique et politique: L’échiquier et sa tour de Babel. L’Harmattan.

Butantan. (2021). O Instituto. Portal do Butantan. https://​butantan​.gov​.br/​institucional/​o‑instituto

Calgaro, F. (2021, 17 de julho). Governo Bolsonaro e as vacinas contra a Covid: veja a cronologia e entenda as polêmicas. Portal G1. https://​g1​.globo​.com/​bemestar/​coronavirus/​noticia/​2021/​07/​17/​g​overno‑bol​sonaro‑e‑a​s‑vacinas‑​cronologia​.ghtml

Costa, D., & Tatsch, C. (2019, 8 de março). Treze anos após Lei Maria da Penha, só 2,4% das cidades têm casas‑abrigo para mulheres. O Globo. https://​oglobo​.globo​.com/​brasil/​celina/​tr​eze‑anos‑a​pos‑lei‑ma​ria‑da‑pen​ha‑so‑24‑d​as‑cidades​‑tem‑casas​‑abrigo‑pa​ra‑mulhere​s‑23972179

Crenshaw, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, 10(1), 171‑188. https://​www​.scielo​.br/​j/​ref/​a/​mbTp​P4SFXPnJZ3​97j8fSBQQ/​abstract/​?lang​=​pt https://​doi​.org/​10​.1590/​S01​04‑026X200​2000100011

Fiorin, J. L. (2016). Elementos de análise do discurso (15a ed., 3a impr.). Contexto.

Friedan, B. (1971). Mística feminina. Vozes.

Gomes, V. B. (2021). Analogias populistas na narrativa presidencial: contrapontos à ciência na Pandemia da Covid‑19. Doutorado (Tese em Comunicação) – Universidade Paulista (UNIP), São Paulo.

Governo do Estado da Bahia. (2021, 19 de janeiro). Primeiras vacinas contra a Covid‑19 são aplicadas na Bahia, Secretaria de Saúde. http://​www​.saude​.ba​.gov​.br/​2021/​01/​19/​primeiras​‑vacinas‑c​ontra‑a‑co​vid‑19‑sao​‑aplicadas​‑na‑bahia/​

Governo do Estado do Ceará. (2021, 20 de janeiro). Home. Secretaria de Saúde. https://​www​.ceara​.gov​.br/​?p​=​131314

Governo do Estado de São Paulo. (2021, 18 de janeiro). São Paulo inicia vacinação contra Covid‑19. Sala de Imprensa. https://​www​.saopaulo​.sp​.gov​.br/​sala‑de‑imprensa/​release/​sao​‑paulo‑ini​cia‑vacina​cao‑contra​‑covid‑19/​

Gonzales, L. (1984). Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, 223–244.

Greimas, A. J. (1984). Semiótica figurativa e plástica. Significação: Revista Brasileira Semiótica, (4), 18–46. https://​www​.revistas​.usp​.br/​significacao/​article/​view/​90477

Greimas, A. J. (2014). Sobre o sentido II: ensaios semióticos (D. F. da Cruz, Trad., 1a ed). São Paulo: Edusp.

Greimas, A. J., & Courtés, J. (2008). Dicionário de semiótica. Contexto.

hooks, b. (1984). Feminist Theory from Margin to Center. Routledge.

hooks, b. (2015, January/April). Mulheres negras: Moldando a teoria feminina. Revista Brasileira de Ciência Política, (16), 193–210. https://​doi​.org/​10​.1590/​0103‑335220151608

Houaiss, A. (2009). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Ed. Objetiva.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Pesquisa de Informações Básicas Municipais. IBGE. https://​biblioteca​.ibge​.gov​.br/​index​.php/​biblioteca‑catalogo​?view​=​detalhes​&​id​=​2101668

Jornal Nacional. (2022, 22 de julho). Total de pessoas que se autodeclaram pretas e pardas cresce no Brasil, diz IBGE, Portal G1. https://​g1​.globo​.com/​jornal‑nacional/​noticia/​2022/​07/​22/​total‑de​‑pessoas‑q​ue‑se‑auto​declaram‑p​retas‑e‑pa​rdas‑cresc​e‑no‑brasi​l‑diz‑ibge​.ghtml

Jucá, J. (2021, 22 de agosto). Maioria dos Estados brasileiros registrou aumento no número de morte de mulheres em 11 anos. CNN Brasil. https://​www​.cnnbrasil​.com​.br/​nacional/​ma​ioria‑dos‑​estados‑br​asileiros‑​registrou‑​aumento‑no​‑numero‑de​‑morte‑de‑​mulheres‑e​m‑11‑anos/​

Kunsch, M. M. K. (2020). Comunicação organizacional integrada na perspectiva estratégica. In J. B. Félix (org.), Comunicação estratégica: A visão de renomados autores em cinco países (pp. 85–104). Rede Integrada.

Lagarde y de los Rios, M. L. (2006). Pacto entre mujeres sororidad. Aportes para el Debate, (1), 123‑135. https://​www​.asociacionag​.org​.ar/​pdfaportes/​25/​09​.pdf

Landowski, E. (1992). A sociedade refletida: ensaios de sociossemiótica. Educ, Pontes.

Landowski, E. (2012). Presenças do outro. Perspectiva.

Lima, M., Maciel, S., & Pazolini, M. (2019). 30 de junho). Políticas de Estado versus políticas de Governo. RTPS – Revista Trabalho. Política e Sociedade, 4(6), 69–84. https://​doi​.org/​10​.29404/​rtps‑v4i6​.222

Machado, L. M. M., Schons, A. S., & Melo Dourado, L. C. S. (2019, July/December). A construção da sororidade nos discursos da Revista Azmina. Revista Latino‑americana de Jornalismo, 6(2), 229–257. https://​doi​.org/​10​.22478/​ufpb​.2359‑375X​.2019v6n2​.49582

Mudde, C. (2000). The ideology of the extreme right. Manchester University Press.

Organização das Nações Unidas (ONU). Vozes das mulheres nas linhas de frente da Covid‑19. 2020. http://​www​.onumulheres​.org​.br/​noticias/​v​ozes‑das‑m​ulheres‑na​‑linhas‑de​‑frente‑da​‑covid‑19/​

Prefeitura de Fortaleza. (2021, 18 de janeiro). Fortaleza inicia a vacinação contra o coronavírus, Secom. https://​www​.fortaleza​.ce​.gov​.br/​noticias/​fortaleza​‑inicia‑a‑​vacinacao‑​contra‑o‑c​oronavirus

Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro. (2021, 18 de janeiro). Vacinação no Rio tem início em cerimônia no Cristo. Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. https://​prefeitura​.rio/​saude/​prefeitura​‑inicia‑va​cinacao‑em​‑cerimonia​‑no‑cristo​‑redentor/​

Saffioti, H. I. B. (2011). Gênero, patriarcado e violência. Fundação Perseu Abramo.

Saraiva, A., Bello, L., & Renaux, P. (2018, 8 de março). No dia da mulher, estatísticas sobre trabalho mostram desigualdades. Agência IBGE. https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20287-no-dia-da-mulher-estatisticas-sobre-trabalho-mostram-desigualdade.

Secretaria de Estado de Saúde de Pernambuco. (2021, 18 de janeiro). Conheça Perpétua do Socorro, a primeira pessoa vacinada contra a Covid‑19 em Pernambuco. PE contra o Coronavírus. https://​www​.pecontracoronavirus​.pe​.gov​.br/​noticias/​page/​92/​

Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro. (2021, 18 de janeiro). Home. Secom. https://​www​.saude​.rj​.gov​.br/​

Singer, A. (2020, 10 de dezembro). Politização da vacina contra covid‑19 é estratégia para eleições presidenciais. Rádio USP, São Paulo. https://​jornal​.usp​.br/​radio‑usp/​politizac​ao‑da‑vaci​na‑contra‑​covid‑19‑e​‑estrategi​a‑para‑ele​icoes‑pres​idenciais/​

Thompson, J. B. (2008). A nova visibilidade. Matrizes, 1(2), 15–38. http://​www​.matrizes​.usp​.br/​index​.php/​matrizes/​article/​view/​82/​124 https://​doi​.org/​10​.11606/​issn​.1982‑8160​.v1i2p15‑38

Velasco, C., Grandin, F., Pinhoni, M., & Farias, V. (2023, 8 de março). Brasil bate recorde de feminicídios em 2022, com uma mulher morta a cada 6 horas. G1. https://​g1​.globo​.com/​m​onitor‑da‑​violencia/​noticia/​2023/​03/​08/​brasil‑ba​te‑recorde​‑de‑femini​cidios‑em‑​2022‑com‑u​ma‑mulher‑​morta‑a‑ca​da‑6‑horas​.ghtml

Publicado

2023-07-15

Cómo citar

Farnese, P. ., Garcia, J. M. ., Montuori Fernandes, C., & Demuru, P. (2023). As contradições discursivas sobre a mulher no contexto político brasileiro . Ámbitos. Revista Internacional De Comunicación, (61), 42–60. https://doi.org/10.12795/Ambitos.2023.i61.03

Número

Sección

ARTÍCULOS
Visualizaciones
  • Resumen 194
  • PDF (Português (Brasil)) 63
  • XML (Português (Brasil)) 15