A cobertura da Covid-19 no Rio de Janeiro: aspectos da rotina produtiva do Telejornalismo Local

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.12795/Ambitos.2021.i52.05

Palabras clave:

Covid-19, telejornalismo, Rio de Janeiro, adaptação, novas rotinas

Resumen

O telejornal brasileiro passou por uma série de mudanças diante dos desafios da cobertura durante a pandemia Covid-19, com alteração das rotinas produtivas, demanda por novos papéis e competências profissionais e novas produções de sentido nas telas. Mudanças na anatomia do telejornal (Piccinin & Soster, 2012) marcam fases, que também incluem a construção narrativa que vinha sendo feita sobre a própria pandemia em todos os momentos. O objetivo deste artigo é apresentar uma análise da cobertura da pandemia em 18 edições dos telejornais RJ1 e RJ2, veiculados no estado do Rio pela Rede Globo. A metodologia adotada foi a de estudo de caso (Yin, 2011), nos primeiros nove meses de cobertura da Covid-19, tendo como referencial teórico as fases do telejornal brasileiro detectadas por Silva (2018). Buscamos aqui identificar novas estratégias narrativas (Thomé & Reis, 2019a), observando características de fases anteriores que foram retomadas e/ou ressignificadas, e também como a pandemia alterou rotinas produtivas e gerou novas produções de sentido nas telas. Fontes de informação com microfone em mãos, imagens enviados por aplicativos, repórteres com máscaras em coberturas externas, imagens de arquivo ressignificadas e predomínio de contribuições de repórteres “ao vivo”. As mudanças na anatomia do telejornal (Piccinin & Soster, 2012) passaram por fases, que incluem também a construção narrativa que se fazia sobre a pandemia em cada momento da cobertura televisiva analisada.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Claudia de Albuquerque Thomé, UFJF/PPGCOM UFJF

Profesora adjunta de Facom / UFJF y del Programa de Posgrado en Comunicación de la UFJF, es líder del Grupo de Investigación de Narrativas de Medios y Diálogos, inscrita en el directorio del CNPq, y profesora de Periodismo y cursos de Radio, TV e Internet. Periodista egresada de la Facultad de Comunicación de la UFRJ y magíster en Comunicación y Cultura también en ECO / UFRJ, es Doctora en Ciencias de la Literatura (Teoría de la Literatura) por la Facultad de Letras de la UFRJ. Autora del libro "Literatura del oído: crónicas de la vida cotidiana por ondas de radio", sus principales focos de investigación son las estrategias narrativas, el lenguaje y las representaciones en informativos televisivos y otras producciones mediáticas, la interacción del periodismo con producciones de ficción y crónicas en los medios de comunicación. Trabajó en el mercado periodístico de Río de Janeiro, con énfasis en la cobertura política, y coordinó el curso de Periodismo en Facom / UFJF. Actualmente coordina una investigación sobre estrategias narrativas audiovisuales en el contexto de la convergencia y la mediatización, otra investigación sobre la videoteratura como lenguaje audiovisual, y también un proyecto de extensión en interfaz con la investigación con el estudio del lenguaje en la producción audiovisual sobre salud, en alianza con docentes. de Medicina y Trabajo Social. Es vicecoordinadora del GP Telejornalismo do Intercom.

Edna de Mello Silva, Unifesp

Edna de Mello Silva é Jornalista e licenciada em Letras pela Universidade São Judas Tadeu, mestre e doutora em Ciências da Comunicação pela ECA-USP. Possui pós- doutorado com pesquisa sobre história do telejornalismo pela UFRJ (2015). Atualmente é docente do Curso Superior de Tecnologia em Design Educacional da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e docente colaboradora do PPGCOM/UFT. Integra a Rede de Pesquisadores em Telejornalismo no Brasil (Rede Telejor). É líder do Grupo de Pesquisa Comunicação, Design e Tecnologias Digitais (CoDe/CNPq/Unifesp).

Marco Aurelio Reis, Unesa-RJ

Marco Aurelio Reis é jornalista e professor do curso de Jornalismo da Unesa-RJ, onde é pesquisador bolsista do Programa de Pesquisa e Produtividade e coordenador da graduação em Produção Audiovisual (Campus João Uchôa). Vice-líder do Grupo de Pesquisa Narrativas Midiáticas e Dialogias (UFJF/CNPq) e professor colaborador do PPGCOM/UFJF. Integra a Rede de Pesquisadores em Telejornalismo no Brasil (Rede Telejor). Graduado pela Escola de Comunicação da UFRJ, é mestre e doutor pela Faculdade de Letras da UFRJ.

Ana Paula Goulart de Andrade, UFRJ/FACHA/FPG/PUC-Rio

Ana Paula Goulart de Andrade é jornalista, pesquisadora e professora no Ensino Superior. É doutoranda e mestre pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da PUC-Rio, especialista em Telejornalismo e integra a Rede de Pesquisadores em Telejornalismo no Brasil (Rede Telejor). Atualmente é professora dos Cursos de Jornalismo (UFRJ e Facha), coordenadora de Pós-Graduação (Facha) e membro da diretoria da ABEJ - Associação Brasileira de Ensino do Jornalismo

 

Citas

Aguiar, L. A. (2008). Entretenimento: valor-notícia fundamental. Estudos em Jornalismo e Mídia. UFSC.

Barbosa, S. (2007). Jornalismo Digital de Terceira Geração. LabCom.

Becker, B. (2016). Televisão e Telejornalismo: Transições. Editora Estação das Letras e Cores.

Bolaño, C.; Melo, P. V. (2015, 4 a 7 de setembro). Luz, câmera, concentração: 50 anos da Rede Globo e a hegemonia no Mercado Brasileiro de Televisão. Anais do 38º Congresso Brasileiro da Comunicação. Intercom.

Coutinho, I.; Emerim, C. (2019). Lugares, espaços, telas e reconhecimento: o local do telejornalismo na contemporaneidade. Em: I. Coutinho, C. Emerim (orgs.). Telejornalismo local: teorias, conceitos e reflexões. Insular.

Ekström, M (2002). Epistemologies of TV Journalism: a Theoretical Framework. Sage Publications.

Machado, A. (2003). A televisão levada a sério. Editora Senac São Paulo.

Piccinin, F.; SOSTER, D.A. (2012). Da anatomia do telejornal midiatizado: metamorfoses e narrativas múltiplas. Brazilian Journalism Research.

Reis, M. A. ; Thomé, C.; Silva, E. M.. ; Andrade, A. P. G.; Miranda, P. (2020). Novas funções e competências no telejornalismo regional frente à Covid-19. Em C. Emerim, C.; A. Pereira; I. Coutinho. (Orgs.) A (re)invenção do Telejornalismo em tempos de pandemia. Insular.

Silva, E. M. (2015, 4 a 6 de novembro). Na tela da TV Tupi: marcas históricas do telejornalismo brasileiro. [Apresentação de trabalho]. Anais do 13º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo. SBPJor.

Silva, E. M (2018). Fases do Telejornalismo: uma proposta epistemológica. Em C. Emerim; I. Coutinho; C. Finger (Orgs.). Epistemologias do telejornalismo brasileiro. Insular.

Silva, E. M.. ; Alves, Y. M. (2016, 5 a 9 de setembro) Telejornalismo Expandido: A Apropriação de Redes Sociais e Aplicativos pelo Jornalismo Televisivo. [Apresentação de trabalho]. Anais do 39º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Intercom.

Silva, E. M.. ; Alves, Y. M. (2017, 4 a 9 de setembro). Bases epistemológicas do Telejornalismo Brasileiro: do Telejornalismo Falado ao Telejornalismo Expandido. [Apresentação de trabalho]. Anais do 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Intercom.

Thomé, C.; Reis, M. A. (2019a). Novas funções e competências no telejornalismo regional. Em Coutinho, I. C. Emerim. (org). Telejornalismo local: teorias, conceitos e reflexões. Editora Insular.

Thomé, C.; Reis, M. A. (2019b. 2 a 7 de setembro). Espelhamento da rede no telejornalismo regional: novas funções no contexto de multitarefas. [Apresentação de trabalho]. Anais do 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Intercom

Thomé, C.; Piccinin, F. Reis, M. A. (2020). Anatomias narrativas do telejornalismo contemporâneo e seus elementos certificadores. Em C .Emerim, C.; A. Pereira,; I. Coutinho (Org). Telejornalismo 70 anos - o sentido das e nas telas. Ed. Insular.

Vizeu, A.; Cerqueira, L. (2019a) O “lugar de referência” do telejornalismo local: o papel dos saberes, dos dispositivos didáticos e da temporalidade. Em I. Coutinho; C. Emerim (org). Telejornalismo local: teorias, conceitos e reflexões. Ed. Insular.

Vizeu, A.; Cerqueira, L. (2019b). Os saberes da pedagogia no telejornalismo: Paulo Freire e a prática jornalística. Revista FAMECOS. PUC-RS.

Wybenga, E. (2013). The editorial age. Adfo Groep3.

Yin, R. (2011). Estudo de caso – planejamento e métodos. Bookman.

Descargas

Publicado

2021-04-15

Cómo citar

de Albuquerque Thomé, C., Silva, E. de M., Reis, M. A., & Andrade, A. P. G. de. (2021). A cobertura da Covid-19 no Rio de Janeiro: aspectos da rotina produtiva do Telejornalismo Local . Ámbitos. Revista Internacional De Comunicación, (52), 71–86. https://doi.org/10.12795/Ambitos.2021.i52.05

Número

Sección

MONOGRÁFICO
Visualizaciones
  • Resumen 502
  • pdf 278