Aproximações do Jornalismo Ambiental com o pensamento de Paulo Freire

Autores/as

  • Ilza Maria Tourinho Girardi Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cláudia Herte de Moraes Universidade Federal de Santa Maria
  • Eloisa Beling Loose Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Débora Gallas Steigleder Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.12795/Ambitos.2023.i60.07

Palabras clave:

Jornalismo Ambiental, estudos decoloniais, Paulo Freire, dialogicidade, pesquisa bibliográfica

Resumen

Este texto apresenta reflexão sobre as aproximações existentes entre os pressupostos que fundamentam a perspectiva do Jornalismo Ambiental e o pensamento do educador e filósofo Paulo Freire, cujo nascimento completou 100 anos em 2021. Para tanto, realiza pesquisa bibliográfica para compreender a afinidade das ideias do intelectual brasileiro com aspectos epistemológicos que orientam esta prática jornalística de forma específica, como a responsabilidade com a mudança de pensamento, a ênfase na contextualização das informações e a pluralidade de vozes consultadas para a cobertura jornalística. Nesse sentido, observa-se uma interface a partir da crítica à colonialidade e do destaque dado à dialogicidade, à valorização da experiência, à emancipação e à libertação dos sujeitos. Tais elementos, fundamentais na obra do autor, também sustentam o Jornalismo Ambiental, jornalismo orientado para a cidadania planetária. Tais pontos de convergência reforçam o compromisso do Jornalismo Ambiental com a mudança paradigmática de pensamento, sobretudo no que tange à relação sociedade-natureza, valorizando o diálogo de saberes e sustentando a crítica decolonial na produção de informações qualificadas que possam emancipar os cidadãos. Conclui que a perspectiva dialógica freiriana pode contribuir para a prática do Jornalismo Ambiental, uma vez que a teoria que a fundamenta defende a transição para um mundo de proteção ambiental e justiça social.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Ilza Maria Tourinho Girardi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Ilza Maria Tourinho Girardi é professora, pesquisadora, Doutora em Comunicação, Líder do Grupo de Pesquisa em Jornalismo Ambiental (UFRGS/CNPq).

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8766-7139

Cláudia Herte de Moraes, Universidade Federal de Santa Maria

Cláudia Herte de Moraes é jornalista, Doutora em Comunicação e Informação, professora da Universidade Federal de Santa Maria, campus Frederico Westphalen/RS. Líder do GP Midiação - Educomunicação e Meio Ambiente (UFSM/CNPq), Membro do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3233-311X

Eloisa Beling Loose, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Eloisa Beling Loose é professora e pesquisadora. Doutora em Comunicação e outora em Meio Ambiente e Desenvolvimento. Vice-líder do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4755-3046

Débora Gallas Steigleder, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Débora Gallas Steigleder é jornalista, Doutora em Comunicação e Informação. Membro do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6030-5728

Citas

Alimonda, H. (2011). La colonialidad de la naturaleza: una aproximación a la Ecología Política latinoamericana. In H. Alimonda (Coord.), La naturaleza colonizada: Ecología política y minería en América Latina (pp. 21–60). CLACSO.

Belmonte, R. V. (2020). O Jornalismo ambiental: três perspectivas em cinco décadas de especialização no Brasil megadiverso [Tesis Doctoral, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Repositório Digital LUME UFRGS. https://bit.ly/3J0SMcm

Beltrán, L. R. (2011). Adiós a Aristóteles: La comunicación “horizontal”. Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, 7(4), 12–36. https://bit.ly/3IWhevd

Bueno, W. C. (2007). Comunicação, jornalismo e meio ambiente: teoria e pesquisa. Mojoara Editorial.

Carvalho, I. C. M. (2017). Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. Cortez Editora.

Capra, F. (1996). A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Cultrix.

Dornelles, B. C. P. (2008). O fim da objetividade e da neutralidade no jornalismo cívico e no ambiental. In I. M. T. Girardi & R. T. Schwaab (Org.), Jornalismo ambiental: desafios e reflexões (pp. 43–55). Dom Quixote.

Fernández Reyes, R. (2004). Periodismo ambiental y periodismo sostenible. Ámbitos. Revista Internacional de Comunicación, (11-12), 311–317. https://bit.ly/3XswrZt

Freire, P. (2019a). Direitos humanos e educação libertadora: gestão democrática da educação pública na cidade de São Paulo. Paz e Terra.

Freire, P. (2011a). Extensão ou comunicação? Paz e Terra.

Freire, P. (1967). Educação como prática da liberdade. Paz e Terra.

Freire, P. (2011b). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra.

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. Paz e Terra.

Freire, P. (2019b). Pedagogia do oprimido. Paz e Terra.

Frome, M. (1998). Green Ink: An Introduction to Environmental Journalism. University of Utah Press.

Gadotti, M. (1979). Educação e ordem classista [Prefácio]. In P. Freire, Educação e Mudança (pp. 9-14). Paz e Terra.

Girardi, I. M. T., Loose, E. B., Steigleder, D. G., Belmonte, R. V., & Massierer, C. (2020). A contribuição do princípio da precaução para a epistemologia do Jornalismo Ambiental. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 14(2), 279–291.

https://doi.org/10.29397/reciis.v14i2.2053

Girardi, I. M. T., Massierer, C., & Schwaab, R. T. (2006). Pensando o Jornalismo Ambiental na ótica da Sustentabilidade. Unirevista, 1(3), 1–12.

Girardi, I. M. T., Schwaab, R., Massierer, C., & Loose, E. B. (2012). Caminhos e descaminhos do jornalismo ambiental. Comunicação & Sociedade, 34(1), 131–152.

https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v34n1p131-152

Girardi, I. M. T., Steigleder, D. G., & Saft, N. (2021). O jornalismo ambiental como agende da mudança de pensamento no contexto da emergência climática. In D. Rodrigo-Cano, R. Mancinas-Chávez, & R. Fernández-Reyes (Eds.), La comunicación del cambio climático, una herramienta ante el gran desafío (pp. 163–182). Dykinson.

Girardi, I. M. T. (2018). Um semestre muito especial: o surgimento da primeira disciplina de jornalismo ambiental. In I. M. T. Girardi, C. H. Moraes, E. B. Loose, & R. V. Belmonte (Org.), Jornalismo ambiental: teoria e prática (pp. 13–24). Metamorfose. https://bit.ly/3WlgW4b

Hannigan, J. (1997). Environmental Sociology- a social constructionist perspective. Routledge.

Hochheimer, J. (1992). Toward Liberatory Pedagogy for Journalism Students: Adapting Paulo Freire’s Praxis to the Non-Poor. College Literature, 19(1), 12–27.

Leff, E. (2001). Epistemologia Ambiental. Cortez.

Loose, E. B., & Girardi, I. M. T. (2017). O Jornalismo Ambiental sob a ótica dos riscos climáticos. Interin, 22(2), 154–172. https://bit.ly/3D06Hvm

Loureiro, C. W. (2020). Paulo Freire, autor de práxis decolonial? [Tesis de Maestria, Universidade Federal da Fronteira Sul].

Meditsch, E. (2003). Filosofia de Paulo Freire e práticas cognitivas no Jornalismo. Comunicação & Educação, (27), 15–30.

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i27p15-30

Mignolo, W. (2005). A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In E. Lander (Org), A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas (pp. 71–103). CLACSO.

Minayo, M. C. D. S. (1994). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Vozes.

Moraes, C. H. (2015). Entre o clima e a economia: enquadramentos discursivos sobre a Rio+20 nas revistas Veja, IstoÉ, Época e Carta Capital [Tesis Doctoral, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Repositório Digital LUME UFRGS. https://bit.ly/3ZOEiCk

Oliveira, D. (2017). Jornalismo e emancipação: uma prática jornalística baseada em Paulo Freire. Appris.

Porto-Gonçalves, C. W. (2006). A globalização da natureza e a natureza da globalização. Civilização Brasileira.

Shiva, V. (2003). Monoculturas da mente: Perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. Gaia (Heidelberg).

Sousa Santos, B. (2022). Descolonizar: Abrindo a história do presente. Autêntica Editora; Boitempo.

Stumpf, I. R. C. (2010). Pesquisa bibliográfica. In J. Duarte & A. Barros (org.), Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação (pp. 51-61). Atlas.

Wolton, D. (2004). Pensar a comunicação. UnB.

Zitkoski, J. J. (2010). Diálogo/Dialogicidade. In D. R. Streck, E. Redin, & J. J. Zitkoski (Org.), Dicionário Paulo Freire (p. 117). Autêntica Editores.

Publicado

2023-04-15

Cómo citar

Tourinho Girardi, I. M., Herte de Moraes, C., Beling Loose, E., & Gallas Steigleder, D. (2023). Aproximações do Jornalismo Ambiental com o pensamento de Paulo Freire. Ámbitos. Revista Internacional De Comunicación, (60), 134–148. https://doi.org/10.12795/Ambitos.2023.i60.07

Número

Sección

ARTÍCULOS
Visualizaciones
  • Resumen 173
  • PDF (Português (Brasil)) 100
  • XML (Português (Brasil)) 30