Identidades femininas na rede: as crianças falam!

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.12795/Ambitos.2020.i49.02

Palabras clave:

Mídias, processos comunicacionais, tecnologias contemporâneas

Resumen

Nesse texto, apresenta-se a abordagem teórico-metodológica e alguns resultados da investigação realizada no doutoramento em Ciências da Comunicação, no Brasil, que teve como objetivo analisar as apropriações e os sentidos produzidos por crianças acerca das identidades femininas no âmbito da recepção midiática. Partiu-se do pressuposto de que a mídia afeta a construção de subjetividades, reforçando modelos de identidades femininas hegemônicas em circulação na sociedade, conforme Queiroz (2013, 2019), Louro, Felipe e Goellner (2007), Xavier Filha (2011). Nesse sentido, aporta-se na investigação qualitativa e de campo na perspectiva de Winkin (1998), Minayo (2011), Guber (2004, 2011) e transmetodológica (Maldonado, 2013, 2015), que compreendem a realidade na sua multidimensionalidade e interdisciplinaridade, e reconhecem que os sujeitos da investigação estão ativamente imbricados em uma teia de relações que emergem de suas ações. Para a geração de dados, recorreu-se a diversas fontes, como o diário de campo, o questionário, o desenho, a produção de texto, a seleção de imagens na internet e as rodas de conversa. Participaram da investigação dezessete crianças, entre nove e treze anos de idade. Os resultados aqui apreciados correspondem às imagens de mulheres/pessoas selecionadas pelas crianças na internet, via Google e Google Imagens. Preponderaram nas suas escolhas gostos por mulheres/pessoas jovens, brancas, magras, ricas e famosas, em especial cantoras, apresentadoras de televisão e atrizes, nacionais e internacionais. Elas explicitaram ser essas pessoas bonitas, estilosas e de ‘boa aparência’. As conclusões indicaram fortes afetações das mídias no reforço de modelos hegemônicos em circulação na sociedade.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Anyon, J. (1990). Interseções de gênero e classe: acomodações e resistência de mulheres e meninas às ideologias de papéis sexuais. Cadernos de Pesquisa, 73, 13-25. Recuperado de https://bit.ly/2RsDj94

Ariès, P. (2011). História social da criança e da família (2a ed.). Rio de Janeiro, Brasil: LTC.

Bauman, Z. (2008). Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Campos, M. M. (2008). Por que é importante ouvir a criança? A participação das crianças pequenas na científica. In: S. H. V. Cruz (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em investigações qualitativas (pp. 35-42). São Paulo, Brasil: Cortez.

Canclini, N. G. (2010). Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro, Brasil: UFRJ.

Corazza, S. M. (2004). A história da infância sem fim (2a ed.). Ijuí, Brasil: UNIJUÍ.

Delgado, A.C.C., & Muller, F. (2006, janeiro a junho). Infâncias, tempos e espaços: um diálogo com Manuel Jacinto Sarmento. Currículo Sem Fronteiras, (6)1, 15-24. Recuperado em https://bit.ly/3b2zOy3

Fischer, R. M. B. (2013). Televisão & Educação: fruir e pensar a TV. Belo Horizonte, Brasil: Autêntica.

Fragoso, S. (2007, setembro a dezembro). Quem procura, acha? O impacto dos buscadores sobre o modelo distributivo da World Wid Web. Revista de Economia Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación, (9)3. Recuperado em https://bit.ly/2Rtj7Eq

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Investigação Social. São Paulo, Brasil: Atlas.

Ginzburg, C. (2009). Mitos, Emblemas e Sinais: morfologia e história. São Paulo, Brasil: Companhia das letras.

Gobbi, M. (2009). Desenho Infantil e oralidade: instrumentos para investigações com crianças pequenas. In: A. L. G. Faria, Z. B. F. Demartini, & P. D. Padro (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologia de investigação com crianças (3a ed., pp.69-92). Campinas, Brasil: Autores Associados.

Guber, R. (2004). El salvaje metropolitano: reconstrucción del conocimiento social em el trabajo de campo. Buenos Aires, Argentina: Paidós.

Guber, R. (2011). La etnografía, método, campo y reflexividad. Buenos Aires, Argentina: Siglo Veintiuno Editores.

Hall, S. (2003). Quem precisa de identidade. In: T. T. Silva (Org.)., S. Hall & K. Woodward. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp.103-133). Petrópolis, Brasil: Vozes.

Lahire, B. (2005). Patrimónios individuais de disposições: Para uma sociologia à escala individual. Sociologia, Problemas e Práticas, 49, 11–42. Doi: https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004. Recuperado em https://bit.ly/2RtS77u

Lopes, M. I. V. (1999). Investigação em comunicação: formulação de um modelo metodológico. São Paulo, Brasil: Loyola.

Lopes, M. I. V. (2014). Mediação e recepção. Algumas conexões teóricas e metodológicas nos estudos latino-americanos de comunicação. Matrizes, 1, 65- 80. Doi: http://dx.doi.org/10.11606. Recuperado em https://bit.ly/2VgX9Fy

Lord, M. G. (2004). Forever Barbie – The unauthorized biography of a real doll. New York, EUA: Walker & Company.

Louro, G. L., Felipe, J., & Goellner, S. V. (2007). Corpo, Gênero e sexualidade: um debate contemporâneo sobre educação. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Maldonado, A. E. (2013). A perspectiva transmetodológica na conjuntura de mudança civilizadora em inícios do século XXI. In: A. E. Maldonado, J. A. Bonin, & N. M. Rosário (orgs.). Perspectivas metodológicas em comunicação: novos desafios na prática investigativa (pp.31-57). Salamanca, Espanha: Comunicación Social Ediciones y Publicaciones.

Maldonado, A. E. (2015, setembro e dezembro). Transmetodologia, cidadania comunicativa e transformação cultural. Intexto, 34, 713-727. Doi: http://dx.doi.org/10.19132/1807-8583201534.

Moraes, D. (2016). Por uma outra comunicação: mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro, Brasil: Record.

Orozco, G. (2011). La condición comunicacional contemporánea. Desafíos latinoamericanos de la investigación de las interacciones en la sociedad red. In: N. Jacks (Org.). Analisis de recepición en América Latina: um recuento histórico com perspectiva al futuro (pp.377-408). Quito, Ecuador: Quipus/CIESPAL. Recuperado em https://bit.ly/3a3gDTs

Queiroz, M. M. A. (2013). Eu não quero ser a mulher saliente! Eu prefiro ser a Isabella Swan! Apropriações das identidades femininas por crianças na recepção midiática. (Tese de Doutorado). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil. Recuperado em https://bit.ly/2XqRb7D

Queiroz, M. M. A., & Cogo, D. (2014). As identidades femininas e a recepção midiática de crianças de escolas públicas e privadas. In: Ronsini, V. M., Cogo, D., & Repoll, J. (Coord.). Estudos de recepção Latino-Americanos: métodos e práticas (pp.158-172). Bellaterra: Institut de la Comunicació, Universitat Autònoma de Barcelona. Recuperado em https://bit.ly/2RsUvvn

Queiroz, M. M. A. (2019). Pesquisa com crianças na Comunicação: um relato de experiência (Trabalho apresentado no Congresso de Investigação Qualitativa em Ciências Sociais, CIAIQ, Lisboa, Portugal, 3, (pp. 489-498). Recuperado em https://bit.ly/2JXTirD

Rocha, E. A. C. (2008). Por que ouvir as crianças? Algumas questões para um debate científico multidisciplinar. In: S. H. V. Cruz (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em investigações qualitativas (pp. 43-51). São Paulo, Brasil: Cortez.

Sarmento, M.J. & Pinto, M. (coords.). (1997). As crianças: contextos e identidades. Braga, Portugal: Universidade do Minho.

Silva, T. T. (Org.). (2003). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Steinberg, S., & Kincheloe, J. L. (Org.). (2004). Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro, Brasil: Civilização Brasileira.

Warschauer, C. (1993). A roda e o registro: uma parceria entre professor, alunos e conhecimento. Rio de Janeiro, Brasil: Paz e Terra.

Winkin, Y. (1998). A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. Campinas, Brasil: Papirus.

Xavier Filha, C. (2011). Era uma vez uma princesa e um príncipe...: representações de gênero nas narrativas de crianças. Revista Estudos feministas [online]. (19). 591-603. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000200019.

Publicado

2020-07-05

Número

Sección

MONOGRÁFICO