Trajetórias de vida de migrantes e periferia urbana: reflexões sobre uma ocupação urbana em Florianópolis/SC

Autores/as

  • Francisco Canella Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

DOI:

https://doi.org/10.12795/HabitatySociedad.2022.i15.05

Palabras clave:

Trajetórias de vida, Periferia urbana, Favela, Migrantes, Habitação popular

Resumen

O crescimento de favelas e de outros espaços ocupados pela pobreza em cidades de médio porte brasileiras - resultado, ao mesmo tempo, da intensificação de persistentes questões estruturais, como a migração campo/cidade - tem apontado para a reconfiguração desses espaços. Neste sentido, o exame das trajetórias de vida de migrantes permite evidenciar a dinâmica de espaços pobres por eles habitados e o surgimento de novos atores na cena pública da cidade. Além da discussão conceitual acerca de trajetória de vida, no artigo se trabalha o conceito de classe popular, assim como se discutem noções como periferia urbana e favela. Para investigação do tema, com base em metodologia qualitativa, foram realizadas entrevistas semiestruturadas em uma ocupação urbana que surgiu em Florianópolis no ano de 2012. Para o artigo, foram analisadas duas trajetórias de vida de lideranças locais. Por meio delas, foi possível desdobrar melhor essa realidade e apresentar novas configurações do processo de crescimento nos espaços habitados pela população, sua complexidade e elucidar a questão da vulnerabilidade social e econômica nas cidades brasileiras.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Citas

Abiko, Alex y Coelho, Leandro de Oliveira (2009). Urbanização de favelas: procedimentos de gestão. Porto Alegre: ANTAC.

Abreu, Miriam Santini (2019). Espaço e cotidiano no jornalismo: crítica da cobertura da imprensa sobre ocupações urbanas em Florianópolis. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (Universidade Federal de Santa Catarina), Florianópolis, SC.

Assis, Gláucia Oliveira, Canella, Francisco, Brightwell, Maria das Graças y Magalhães, Luis F.A. (2019). Migrações internas e internacionais recentes. En Rocha, I. O. Santa Catarina, Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável - Diretoria de Desenvolvimento Urbano. (Eds.). Atlas geográfico de Santa Catarina: população – fasc. 3, 2 ed (v. 3, pp. 126-141). Florianópolis: Editora da UDESC.

Assis, Gláucia Oliveira; Siqueira, Sueli (2021). Entre o Brasil e a Europa: brasileiras negociando gênero e raça nas representações sobre “a mulher brasileira”. Cadernos Pagu, 63. DOI: https://doi.org/10.1590/18094449202100630006

Berteaux, Daniel (2010). Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. São Paulo, Natal: Paulus, Editora da UFRN.

Bogdan, Robert y Biklen, Sari Knopp (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução a teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Birman, Patricia (2008). Favela é comunidade? En Machado da Silva, Luiz Antonio (Org.). Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Borges, Antonádia (2013). Mulheres e suas casas: reflexões etnográficas a partir do Brasil e da África do Sul. Cadernos Pagu, 40, 197-227.

Bourdieu, Pierre (1996). Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas/SP: Papirus.

Brandão, Carlos Antônio y Barcellos, S. Marcos (2019). Particularidades do capitalismo periférico brasileño y sus recientes oleadas de neoliberalización (1995-2018). Semestre Económico, 22 (50), 23-42. https://doi.org/10.22395/see.v22n50a2

Calheiros, Fernando (2020). Ocupações urbanas e os efeitos socioespaciais da disputa pela terra em Florianópolis: o caso das ocupações Marielle Franco e Fabiano de Cristo. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Canella, Francisco (2019). Entre o local e a cidade: memórias e experiências de duas gerações de moradores da periferia urbana em Florianópolis (1990- 2010). Ponta Grossa – PR.

Fantin, Márcia (2000). A cidade dividida. Florianópolis: Cidade Futura.

IBGE (2018, 22 de maio). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem da população. 2017. Recuperado de: http//:censo2010.ibge.gov.br.

IBGE (2019,27 de setembro) – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico de 2010. Recuperado de: http//:censo2010.ibge.gov.br

Isin, Engin F. & Nielsen, Greg M. (Eds.) (2008). Acts of Citizenship. London: Palgrave Macmillan UK.

Kowarick, Lucio (2006). Viver em risco: sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil. São Paulo, Editora 34.

Lisboa, Teresa Kleba (2002). Mulheres migrantes no sul do Brasil e seu processo de empoderamento. Katalysis, 5(1),12-26.

Loriga, Sabine (1998). A biografia como problema. In Revel, J. (Org.). Jogos de escalas. A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Marinho, Marco Antonio Couto (2017). Trajetórias de Vida: um conceito em construção. Revista do Instituto de Ciências Humanas, 3(17), 25-49.

Marini, Ruy Mauro (1969). Subdesarollo y revolución. Cidade do México: Siglo XXI.

Marini, Ruy Mauro (1973). Dialética da Dependência. Cidade do México: ERA.

Martuccelli, Danilo (2007). Lecciones de sociología del indivíduo. Departamento de Ciencias Sociales, Pontificia Universidad Católica del Perú.

Mioto, Beatriz, Lins, Hoyedo Nunes y Matei, Lauro (2010). A realidade demográfica de Santa Catarina na virada do século XXI. En Matei, Lauro y Lins, Hoyedo Nunes. A socioeconomia catarinense no início do século XXI (pp. 284 – 321). Chapecó: Argus.

Notícias do Dia (2020, 22 e 23 de agosto). Relatório ND. Cidade ameaçada. Florianópolis. Recuperado em 15 de maio de 2022 de: https://www.pmf.sc.gov.br/sistemas/conferenciaHabitacao/

PMF – Prefeitura Municipal de Florianópolis (2022, 26 de janeiro) Carta da 1ª Conferência Municipal de Habitação de Interesse Social. Recuperado em 15 de maio de 2022 de: https://www.pmf.sc.gov.br/sistemas/conferenciaHabitacao/

Prebisch, Raúl (1986). El desarrollo económico de la América Latina y algunos de sus principales problemas. Desarrollo Económico, 26(103), 479-502.

Souza, Jessé (2003). A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte: UFMG.

Stock, Inka (2019). Buddy schemes between refugees and volunteers in Germany: Transformative potential in an unequal relationship? Social Inclusion, 7(2), 128–138.

Sugai, Maria Inês (2009). Há favelas e pobreza na “Ilha da magia”? En Abramo, P. (Org.). Favela e mercado informal: a nova porta de entrada dos pobres nas cidades brasileiras (pp. 162-199). Porto Alegre: ANTAC, v. 10 (Coleção Habitare).

Valladares, Lícia (2000). A gênese da favela carioca. A produção anterior às ciências sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 15(44), 6-33.

Valladares, Lícia (2005). A invenção da favela: do mito de origem à favela. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Valladares, Lícia (2009). Educação e mobilidade social nas favelas do Rio de Janeiro: O caso dos universitários (graduandos e graduados) das favelas. Revista de Estudos e de Conflito e Controle Social, 2 (5-6). Recuperado de: http://nominimo.ig.com.br.

Velho, Gilberto (1999). Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Publicado

2022-11-28

Cómo citar

Canella, F. . (2022). Trajetórias de vida de migrantes e periferia urbana: reflexões sobre uma ocupação urbana em Florianópolis/SC. Hábitat Y Sociedad, (15), 89–108. https://doi.org/10.12795/HabitatySociedad.2022.i15.05
Recibido 2022-03-24
Aceptado 2022-09-13
Publicado 2022-11-28
Visualizaciones
  • Resumen 152
  • PDF (Português (Brasil)) 76
  • HTML (Português (Brasil)) 23