O impresso e o digital nos modelos de negócios de jornais locais: uma análise do Sermos Galiza

Giovanni Ramos

Resumen


Compreender qual o papel do jornalismo impresso nos meios de comunicação de proximidade nos dias atuais é o principal objetivo desta comunicação. Diante de problemática da diminuição do interesse do público pelos media em papel e da dificuldade dos jornais, sobretudo do jornalismo local ou de proximidade de transformarem suas plataformas digitais em modelos de negócio sustentáveis financeiramente, busca-se estudar um caso de jornal local impresso/digital que esteja em crescimento económico para conhecer suas rotinas, práticas e qual a função do impresso e a função do digital na arrecadação de recursos. O estudo de caso escolhido foi o Sermos Galiza de Santiago de Compostela, Galícia, Espanha. Um nativo impresso/digital que iniciou-se como semanário no papel, mas que deve se tornar diário até 2019. A metodologia utilizada nesta investigação incluiu uma observação participante da redação do jornal, uma entrevista com diretores da empresa além da bibliografia sobre jornalismo de proximidade, jornalismo digital e modelos de negócios no jornalismo. A observação foi feita inicialmente e o relatório da observação serviu para a construção das perguntas do questionário utilizado na entrevista. Buscou-se, além das fontes de receita dos meios impressos e digital do jornal, como era a rotina para a produção de notícias para cada plataforma, se os jornalistas eram os mesmos, qual era a prioridade e qual a importância da versão digital para as receitas da empresa, já que o conteúdo disponibilizado é completamente gratuito. Com as informações obtidas na observação e na entrevista aliada as teorias estudadas na revisão bibilográfica, o resultado do estudo apontou que o jornal estudado distingue completamente impresso e digital em seu conteúdo e possui as receitas focadas nas assinaturas da versão impressa, com o conteúdo digital focado em hard-news gratuito, convidando o leitor e conhecer e assinar o impresso, onde recebe grandes reportagens e entrevistas, um conteúdo premium não disponibilizado entre as notícias do website.


Palabras clave


Jornalismo de proximidade, jornalismo local, modelos de negócios, jornalismo digital, Sermos Galiza

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Bahia, J. P. D. (2009). Ser baiano na medida do recôncavo: o jornalismo regional como elemento formador de identidade (tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia). Disponível em https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/10833/1/dissert_Jos%c3%a9%20Bahia.pdf.

Bastos, H. (2006). Ciberjornalismo: dos primórdios ao impasse. Comunicação e Sociedade. 9-10, 103-112. Disponível em: http://revistacomsoc.pt/index.php/comsoc/article/view/1158/1101

Bezerra, A. K. G. (2010). A pesquisa etnográfica e as especificidades da observação participante. Vinheta, (1), 01-18. Disponível em http://www.academia.edu/24502157/A_pesquisa_etnogr%C3%A1fica_e_as_especificidades_da_observa%C3%A7%C3%A3o_participante.

Borges, S. (2009). A segunda fase do Jornalismo Público. Estudos em Comunicação. (5), 95-113. Disponível em: http://www.ec.ubi.pt/ec/05/pdf/05-borges-segunda.pdf.

Borges, Z. (2016). 1.400 jornalistas demitidos em 2015. Acesso em 8 março, 2018 em http://observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-em-questao/1-400-jornalistas-demitidos-em-2015.

Braga, C. F., Tuzzo, S. A. (2016). O processo de triangulação da pesquisa qualitativa: o metafenômeno como gênese. Revista Pesquisa Qualitativa. 4(5), 140-158. Disponível em http://rpq.revista.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/38.

Camponez, C. (2002). Jornalismo de proximidade : rituais de comunicação na imprensa regional. Coimbra: Minerva.

Canavilhas, J. M. (2007). Webnoticia: propuesta de modelo periodístico para la WWW. Covilhã, Livros LabCom.

Correia, J. C. (1998). Jornalismo regional e cidadania. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/correia-joao-jornalismo-regional.pdf.

Costa, C. T. (2014). Um modelo de negócio para o jornalismo digital. Revista de Jornalismo ESPM. (9), 51-115.

Couto, P. F. (2010). Ciberjornalismo regional: aproveitamento das potencialidades da Web dos nove jornais regionais com maior audiência do Distrito do Porto (dissertação de mestrado, Universidade do Porto). Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/55917.

Durães, P. (2017). APCT: diários generalistas venderam menos 17.538 exemplares/dia nos primeiros quatro meses do ano. Acesso em 29 setembro, 2017 em http://www.meiosepublicidade.pt/2017/06/apct-diarios-generalistas-venderam-menos-17-538-exemplaresdia-nos-primeiros-quatro-meses-do-ano.

Ferreira, P. (2005). O custo das não-decisões na imprensa local e regional em Portugal. Comunicação e Sociedade. 7, 153-180. Disponível em: http://revistacomsoc.pt/index.php/comsoc/article/view/1215/1158.

Fino, C. N. (2008). A etnografia enquanto método: um modo de entender as culturas (escolares) locais. In Christine Escallier e Nelson Veríssimo (Org.) Educação e cultura (pp. 43-53). Disponível em https://digituma.uma.pt/handle/10400.13/809.

Franklin, B., Murphy, D. (1991). Whats News? The Market, Politics and the Local Press. Londres: Routledge.

García, X. L. (2008). Doce años de experimentación ciberperiodística desde Galicia: luces y sombras. Textual & Visual Media: revista de la Sociedad Española de Periodística, 1, 205-212. Disponível em http://textualvisualmedia.com/images/revistas/01/10_lopez.pdf.

García, X. L., Negreira-Rey, M. C. (2016). La dimensión informativa del ciberperiodismo hiperlocal en Galicia. II Simposio de la Red Internacional de Investigación de Gestión de la Comunicación. 271-283. Disponível em https://xescom2016.files.wordpress.com/2017/01/documento-xescom.pdf.

Gascón, J. F. F. (2010). Impacto visual da imprensa digital - uma pesquisa espanhola empírica. Brazilian Journalism Research. 6(2), 120-137. Disponível em https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/download/28/29.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa - tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. 35(3), 20-29. Disponível em http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rae/article/view/38200.

Hindman, M. (2015). Stickier News, What Newspapers Don’t Know about Web Traffic Has Hurt Them Badly – But There is a Better Way. Disponível em: https://shorensteincenter.org/stickier-news-matthew-hindman.

Jerónimo, P. (2015). Ciberjornalismo de Proximidade. Covilhã: Livros LabCom. Disponível em http://www.labcom-ifp.ubi.pt/book/203.

Junior, W. T. L. (2007). Precursores do jornalismo On-line. V Congresso Nacional de História da Mídia. Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/outros/hmidia2007/resumos/R0049-1.pdf.

Mendes, A. C. (2012). Novos modelos de negócio para a imprensa online: o modelo fremium no publico.pt, no elpais.com e no nytimes.com (dissertação de mestrado, Instituto Politécnico de Portalegre). Disponível em https://pt.scribd.com/document/114889927/Novos-Modelos-de-Negocio-Para-a-Imprensa-Online-o-Modelo-Freemium-No-Publico-pt-No-Elpais-com-e-No-Nytimes-com-Angela-Mendes.

Nunes, D. F. (2017). New York Times volta aos lucros graças às assinaturas digitais. Acesso em 03 de fevereiro de 2018 em: https://www.dinheirovivo.pt/empresas/new-york-times-volta-aos-lucros-gracas-as-assinaturas-digitais.

Orofino, M. A. R. (2011). Técnicas de criação do conhecimento no desenvolvimento de modelos de negócio (dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina). Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/95255.

Pacete, L. G. (2015). Brasil perdeu oito jornais em 6 anos. Acesso em 25 maio, 2017 em http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2015/07/15/brasil-perdeu-oito-jornais-em-6-anos.html.

Pereira, L. F. D. R. (2002). O Adiantado do Minuto: A internet e os novos rumos do jornalismo. Disponível em http://bocc.ubi.pt/pag/pereira-luis-novos-rumos-do-jornalismo.html.

Pereira, J. P. (2014). Assinaturas digitais dos jornais diários mais do que duplicam. Acesso em 26 de junho de 2017 em https://www.publico.pt/2014/08/29/portugal/noticia/assinaturas-digitais-dos-diarios-mais-do-que-duplicam-1668081.

Pinheiro, G. (2009). De quando é o primeiro jornal online? Que tal 1981?. Acesso em 15 de julho de 2017 em https://brasil.estadao.com.br/blogs/macaco-eletrico/de-quando-e-o-primeiro-jornal-online-que-tal-1981.

Robertson, R. (1995). Glocalization: Time-Space and Homogeneity. In Featherstone, M., Lash, S., Robertson, R. (Eds.), Global Modernities (pp. 25-44). Londres: SAGE Publications.

Salaverría, R. (2016). España. In Salaverría, R. (Ed.), Ciberperiodismo en Iberoamérica (pp. 169-210). Madrí: Fundación Telefónica.

Silva, L. L. D. (2015). Inovação disruptiva no modelo de negócio da imprensa generalista portuguesa (dissertação de Mestrado, Instituto Superior de Economia e Gestão) Disponível em https://www.iseg.ulisboa.pt/aquila/getFile.do?fileId=679910&method=getFile.

Stake, R. E. (2016). A Arte da Investigação com Estudos de Caso. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Stephens, M. (2014). Beyond News - The Future of Journalism. Nova Iorque: Columbia University Press.

Temer, A. C. R. P., Tuzzo, S. A. (2017). A entrevista como método de pesquisa qualitativa: uma Leitura Crítica das memórias dos jornalistas. Atas - Investigação Qualitativas em Ciências Sociais. 3, 459-468. Disponível em http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1419.




DOI: https://doi.org/10.12795/Ambitos.2020.i47.09

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



© Ámbitos. Revista Internacional de Comunicación. Fundada por el Prof. Dr. Ramón Reig en 1998.

ISSN versión impresa: 1139-1979 ISSN versión electrónica: 1988-5733 Depósito Legal: SE-1493-98

Licencia de Creative Commons

La Universidad de Sevilla se reserva todos los derechos sobre el contenido de las revistas científicas editadas por ésta. Los respectivos textos no pueden ser utilizados, distribuirse, comercializarse, reproducirse o transmitirse por ningún procedimiento informático, electrónico o mecánico con ánimo de lucro, directo o indirecto, ni tampoco incluirse en repositorios ajenos, sin permiso escrito de la Editorial Universidad de Sevilla. Podrán ser usados y citados para fines científicos y referenciados sin transformación para usos académicos, indicándose en todo caso la autoría y fuente, pudiendo para ello remitir al correspondiente enlace URL de Internet.

Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International (CC BY-NC-ND 4.0)

Las revistas alojadas en la plataforma de Open Journal Systems de la Universidad de Sevilla, en el dominio revistascientificas.us.es. Con el fin de asegurar un archivo seguro y permanente para la revista, la Universidad de Sevilla realiza una copia de seguridad cada 24 horas. Ello permite a todas las revistas electrónicas de la Universidad de Sevilla archivar y conservar sus contenidos, preservándolos de cualquier eventualidad. Si el contenido de alguna revista se pierde o se corrompe puntualmente, la Universidad de Sevilla acude a sus copias de seguridad diarias para recuperarlos.