O PROJETO PARA O PAVILHÃO BRASILEIRO NA EXPO’ 92 EM SEVILHA E A CHAMADA “ARQUITETURA PAULISTA” / The project for the Brazil Pavilion in Expo’92 in Seville and the so called “Paulista architecture”

Evandro Fiorin

Resumen


RESUMO Este artigo discute a polêmica em torno do projeto vencedor do concurso organizado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil para o Pavilhão Brasileiro na Expo’ 92, na cidade de Sevilha, Espanha, as opiniões dos críticos de arquitetura proferidas à época da divulgação dos resultados e os seus desdobramentos para a arquitetura brasileira. No início da década de 90, esse concurso foi uma espécie de polarizador de ideias no país, entre os arquitetos que eram favoráveis a uma renovação dos projetos e os que defendiam uma retomada da tradição arquitetônica nacional, sob a forma de edifícios com grandes vãos construídos em concreto armado, oriundos da chamada “arquitetura paulista”, notabilizada pelos trabalhos realizados a partir da década de 60, por importantes arquitetos como Vilanova Artigas e Paulo Mendes da Rocha. No entanto, as referências modernistas no partido adotado pelo projeto vencedor, de autoria dos arquitetos: Ângelo Bucci, Álvaro Puntoni e José Oswaldo Vilela, traziam consigo controvérsias, por conta das dificuldades em torno da possibilidade de retomada das lições dos velhos mestres modernos em face dos novos tempos que se descortinavam com o fim da ditadura militar no Brasil e com o processo de abertura dos mercados, ao mesmo tempo em que abriam caminho para um processo de revalorização da chamada “arquitetura paulista”.

SUMMARY This article discusses the controversy surrounding the winning project of the competition organized by the Brazilian Ministry of Foreign Affairs for the Brazilian pavilion at the Expo’92 in Seville, Spain; the views of architecture critics made at the time of the results, and, their implications for Brazilian architecture. At the beginning of the 90s, this competition was a kind of confrontation of ideas, between the architects who were in favour of a renewal of architecture and those who defended the resumption of national architectural traditions, buildings with large spans, constructed in reinforced concrete. These architects were the heirs of the so called “Paulista architecture”, which was characterised by the work undertaken from the 60’s by important architects such as Vilanova Artigas and Paulo Mendes da Rocha. The modern references adopted by the winning project, from the architects Ângelo Bucci, Álvaro Puntoni and José Oswaldo Vilela, sparked controversies because of the difficulty of resuming the teachings of the old modern masters when faced with new times. These controversies were related to the end of the military dictatorship in Brazil and the process of opening markets, and by the relevance of a re-evaluation of the so-called “Paulista architecture”.


Palabras clave


concurso; arquitetura brasileira; Expo 92 Sevilha; arquitetura paulista / competition; brazilian architecture; Expo’92 Seville; Paulista architecture

Referencias


Artigas, Vilanova: “As idéias do velho mestre”. Em Artigas, Vilanova: Caminhos da Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2004. pp. 167–173.

Artigas, Vilanova: “A função social do arquiteto”. Em Artigas, Vilanova: Caminhos da Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2004. pp. 183–195.

Azevedo, Ricardo Marques de: “Futuro Passado”. Em Arquitetura e Urbanismo. Abril Maio 1991, Nº 35. São Paulo: Pini. 1991. pp. 76–79.

Bucci, Ângelo; Puntoni, Álvaro; Vilela, José Oswaldo: “Pavilhão do Brasil na Expo 92 Sevilha”. Em Projeto. Fevereiro 1991, Nº 138. São Paulo: Arco Editorial. 1991. p. 40.

Bucci, Ângelo et al.: “A polêmica de Sevilha e os premiados no Concurso do Pavilhão do Brasil. [Entrevista para Suzana Barelli] A Polêmica de Sevilha e os premiados no concurso do pavilhão do Brasil”. Em Projeto. Março 1991, Nº 139. São Paulo: Arco Editorial. 1991, pp. 62–63.

Entenda o vaivém do julgamento. [Ata de Encerramento dos Trabalhos do Júri]. Projeto. Fevereiro 1991, Nº 138. São Paulo: Arco Editorial. 1991. p. 39.

Etchebehere, Jeanty: “O grito afônico das velhas e ultrapassadas lições. [Opinião do leitor: Repercussões do Concurso de Sevilha]”. Em Projeto. Abril 1991, Nº 140. São Paulo: Arco Editorial. 1991. pp. 10–15.

Fiorin, Evandro: São Paulo –as marginais do Rio Pinheiros e os megaprojetos arquitetônicos do capital financeiro: tempos de globalização. São Carlos, São Paulo: Dissertação de Mestrado. Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, 2003.

Fiorin, Evandro. Arquitetura paulista: do modelo à miragem. Tese de Doutorado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, Departamento de Tecnologia da Arquitetura, 2009.

Gaudenzi, Luiz Américo: “Alguém foi desrespeitado? [Opinião do leitor: Repercussões do Concurso de Sevilha]”. Em Projeto. Abril 1991, Nº 140. São Paulo: Arco Editorial. 1991. pp. 10–15.

Jameson, Fredric: “O tijolo e o balão: arquitetura, idealismo e especulação imobiliária”. Em Jameson, Fredric: A Cultura do Dinheiro. São Paulo: Vozes, 2001. pp. 173–206.

Mazza, Márcio: “Vertiginosa ascensão ao anonimato ou lânguida preguiça. [Opinião do leitor: Repercussões do Concurso de Sevilha]”. Em Projeto. Abril 1991, Nº 140. São Paulo: Arco Editorial. 1991. pp. 10–15.

Nobre, Ana Luiza; Milheiro, Ana Vaz; Wisnik, Guilherme: Coletivo: Arquitetura Paulista Contemporânea. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

Puntoni, Pedro: “A negação do Pós Moderno e a Negação do Moderno”. Em Caramelo. Junho 1991, Nº 02. São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. 1991. pp. 04–11.

Rancière, Jacques: O Desentendimento. São Paulo: 34, 1996.

Schwarz, Roberto: “Fim de século – incompleto, o processo de modernização se provou ilusório”. Em Folha de São Paulo. São Paulo: Folha de São Paulo. 04 dezembro 1994.

Schwarz, Roberto: “Nacional por Subtração”. Em Schwarz, Roberto: Cultura e Política. São Paulo: Paz e Terra, 2001, pp. 108–135.

Segawa, Hugo: “Pavilhão do Brasil em Sevilha: deu em vão”. Em Projeto. Fevereiro 1991, Nº 138. São Paulo: Arco Editorial. 1991. pp. 34–39.




DOI: https://doi.org/10.12795/ppa.2012.i7.08

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.
';