Perceções sobre Saúde e Qualidade de Vida em Idosos Algarvios

Autores/as

Resumen

O envelhecimento da população portuguesa surge como um desafio demográfico e social, sendo uma realidade em crescente. Em Portugal, o índice de envelhecimento é cada vez maior, sendo em 2018 de 157,4% quando em 2000 era de 98,8% (Pordata, 2018). Relacionados ao envelhecimento, que se pretende que veja vivido com qualidade de vida e de forma ativa, encontram-se associados diversos determinantes. As condições de saúde, os fatores ambientais e pessoais, os determinantes económicos, sociais e culturais, o ambiente físico, o sistema de saúde, o sexo, entre outros (World Health Organization, 2002). Nesse sentido, e de forma a compreender como os idosos percecionavam os seus estados de saúde e de qualidade de vida, realizou-se um estudo de caracter qualitativo a 30 pessoas, com idade igual ou superior a 60 anos, no Algarve. Aplicou-se um questionário de dados demográficos e uma entrevista semiestruturada, seguindo-se uma análise de conteúdo. Os resultados revelam que as categorias que melhor descrevem a saúde são a categoria psicológica e a ausência e para a qualidade de vida a categoria saúde, ausência e a comportamental. Conclui-se que ambos os constructos se encontram interligados e que são vários os fatores que contribuem para a sua manutenção.

 

Palavras-chave: Conceções, Saúde, Qualidade de vida, Idosos.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Cláudia Cristina Luisa, Universidade do Algarve

Docente da Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve desde 2005, pertencendo ao Departamento de Ciências Sociais e da Educação e a Área Cientifica de Educação Social.

Citas

Abellán, A. (2003). Percepcíon del estado de salud. Revista Mult.Gerontol, 13, 340-342. Recuperado de: https://digital.csic.es/handle/10261/10500

Andrade, O. (2003). Representações sociais de saúde e de doença na velhice. Maringá, 25 (2), 207-213. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/270936745_Representacoes_sociais_de_saude_e_de_doenca_na_velhice

Anica, A. (2018). Envelhecer no Algarve. Perceções, perfis e qualidade de vida

no envelhecimento. In Envelhecer no Algarve. Universidade do Algarve. Recuperado de: https://sapientia.ualg.pt/handle/10400.1/10679

Berger, L. (1995). Pessoas Idosas, uma Abordagem Global. Lisboa: Lusodidacta.

Bryman, A. (2007). Barriers to integrating quantitative and qualitative research. Journal of mixed methods research, 1:8, pp. 8-22. Recuperado de: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/2345678906290531

Bowling, A. & Gabriel, Z. (2007). Lay theories of quality of life in older age. Ageing & Society, 27, 827–848. Recuperado de: https://doi.org/10.1017/S0144686X07006423

Cabral, M. V., Ferreira, P. M., Silva, P. A. Da, Jerónimo, P., & Marques, T. (2013). Processos de envelhecimento em Portugal: usos do tempo, redes sociais e condições de vida. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Castellón, A., Pino, S. & Aleixandre, M. (2001). Calidad de vida y salud. Revista Mult. Gerontol, 11, 12-19.

Castellón, A. & Pino, S. (2003). Calidad de vida en la aténcion al mayor. Revista Mult. Gerontol,13, 188-192. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000148&pid=S0104-1290201200010001800005&lng=pt

Castellón, A. & Romero, V. (2004). Autopercepción de la calidad de vida. Revista Mult. Gerontol, 14, 131-137. Recuperado de: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=1032594

Culyer, J. (1981). Health indicators. University of York. York. Recuperado de: https://www.researchgate.net/profile/Anthony_Culyer/publication/4814671_Health_Health_Expenditures_and_Equity/links/004635228d3d98ad74000000.pdf

Ewles, Simnett. (1999). Promoting health: a pratical guide (4ª edição). London

Fernández, G., Pérez, F., Garcia, A. & Rodríguez, V. (2003). Envejecimiento y salud. Diez años de investigación en el CSIC. Revista Mult. Gerontol, 13, 43-46. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/28081988_Envejecimiento_y_salud_diez_anos_de_investigacion_en_el_CSIC

Ferraz, A. & Peixoto, M. (1997). Qualidade de vida na velhice: estudo em uma instituição pública de recreação para idosos. Revista Esc. Enf. USP, 31, 316-318. Recuperado de: http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/419.pdf

Fontes, L. (1997). O papel do médico de família na avaliação e acompanhamento do doente idoso. Geriatria. Ano X. Vol.X. nº97. Recuperado de: https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/702/1/LC447.pdf

Fontaine, R. (2000). Psicologia do Envelhecimento (1ª Edição). Lisboa: Climepsi Editores.

INE. (2017). Anuário Estatístico da Região do Algarve 2016. Lisboa. Recuperado de: https://www.ine.pt.

INE. (2017). Projeções de População Residente 2015-2080. Destaque- Informação à Comunicação Social. Recuperado de: https://www.ine.pt.https://www.ine.pt.

Inouye, K. & Pedrazzani, E. (2007). Nível de instrucción, socioeconómico y evaluación de algunas dimensiones de la calidad de vida de octogenários. Revista Latino- americana, n.15.

Lachman, M.& Baltes, P. (1994). Psychological ageing in lifespan perspective. In Rutter, M. & Hay, D. (Eds.). Development through life. A handbook for clinicians. Oxford: Blackwell Science.

Leal. C. (2008). Reavaliar o conceito de qualidade de vida. (Tese de Mestardo). Universidade dos Açores. Recuperado de: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000177&pid=S1647-2160201300010000400013&lng=pt

Luísa, C. (2017). Teorias Leigas em Pessoas Idosas. Conhecer para Intervir. Guia para Educadores Sociais e Educadores. Viseu: Psicosoma.

Najman, M. & Levive, S. (1981). Evaluating the impact of medical care and technologies on the quality of life: a review and critique. Soc.Sci.Med.. v. 15, 107-15. Recuperado de: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11662011

Oliveira, J. (2005). Psicologia do Envelhecimento e do Idoso. Porto: Livpsic Editora

Paúl, C. & Fonseca, A. (2001). Psicossociologia da Saúde (1ª edição). Lisboa: Climepsi Editores.

Paúl, C., Fonseca, A., Martin, I. & Amado, J. (2005). Satisfação e qualidade de vida em idosos portugueses. In Paúl, C.& Fonseca, A. (Coords.) (2005). Envelhecer em Portugal. (1ª edição). Lisboa: Climpesi Editores

Pordata. (2018). PORDATA. Recuperado de: https://www.pordata.pt/Municipios/%C3%8Dndice+de+envelhecimento-458

Quivy, R. & Champenhout, L. (1998). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva.

Queiroz, J. & Trinca, F. (1983). Influência do lazer sobre pessoas da terceira idade. Revista. Brasileira. Enf., 36, 95-106. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/reben/v36n1/v36n1a10.pdf

Reis, J. & Fradique, F. (2004). Significações leigas de saúde e de doença em adultos. Análise Psicológica, 3 (XXII), 475-485. Recuperado de: http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v22n3/v22n3a05.pdf

Ribeiro, O. & Paúl, C. (2011). Manual do envelhecimento activo. Lisboa: Lidel, Edições Técnicas, Lda.

Rubio, R., Aleixandre, M. & Cabezas, J. (2001). Calidad de vida y diferencias en función del sexo. Revista Mult. Gerontol, 11,173-180.

Squire, Anne. (2004). Saúde e Bem-estar para Pessoas Idosas – Fundamentos Básicos

para a prática. Loures: Lusociência.

Scedhouse. (1986). Health foundations for achievement. Wiley, Chichester.

Teixeira, M., Schulze, C. & Camargo, B. (2002). Representações sociais sobre saúde na velhice: um diagnóstico psicossocial na Rede Básica de Saúde. Estudos de Psicologia, 7(2), 351-359. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-294X2002000200016&script=sci_abstract&tlng=pt

Vaz, C. (2008). Satisfação dos doentes idosos face aos cuidados de enfermagem

no serviço de urgência. (Tese de Mestrado). Lisboa. Universidade Aberta. Recuperado de: https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/702/1/LC447.pdf

Vilar, M. M. (2015). Avaliação da qualidade de Vida em Adultos Idosos: Estudos de adaptação, validação e normalização do WHOQOL-OLD para a população portuguesa. Coimbra: Universidade de Coimbra. Recuperado de: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/28680

World Health Organization. (2002). Active Ageing: A Policy Framework. Geneve: WHO. Recuperado de: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/67215/1/WHO_NMH_NPH_02.8.pdf.

WHO. (2003). Adherence to Long-Term Therapies. Evidence for action.

Noncomunicable Diseases and Mental Health. Adherence to long-term therapies

project. Geneva: WHO. Recuperado de: http://www.who.int/chp/knowledge/publications/adherence_full_report.pdf?ua=l

Publicado

2020-11-29

Cómo citar

Luisa, C. C. (2020). Perceções sobre Saúde e Qualidade de Vida em Idosos Algarvios. ESAMEC. Education Journal. Health, Environment and Citizenship, (1), 20–28. Recuperado a partir de https://revistascientificas.us.es/index.php/ESAMEC/article/view/11786