Afrobubblegum, resistencia e esperança queer em Rafiki (2018), de Wanuri Kahiu
portada 21(2)
PDF
EPUB
HTML

Palabras clave

Wanuri Kahiu
cinema do Quênia
cinema queer
afrobubblegum
Rafiki Wanuri Kahiu
Kenyan cinema
queer cinema
afrobubblegum
Rafiki

Cómo citar

Ravazzano, L., & Asevedo, E. (2023). Afrobubblegum, resistencia e esperança queer em Rafiki (2018), de Wanuri Kahiu. COMUNICACIÓN. Revista Internacional De Comunicación Audiovisual, Publicidad Y Estudios Culturales, 21(2), 14–31. https://doi.org/10.12795/Comunicacion.2023.v21.i02.01
Recibido 2023-10-14
Aceptado 2023-11-20
Publicado 2023-12-22
Visualizaciones
  • Resumen 53
  • PDF 91
  • EPUB 7
  • HTML 1

Resumen

No presente artigo, propomo-nos a analisar as contribuições de Wanuri Kahiu para o cinema queer africano. Abordaremos como em Rafiki (2018), apenas seu segundo longa-metragem como realizadora, Kahiu apresenta e desenvolve esteticamente as premissas de uma arte Afrobubblegum por ela proposta, de modo a retratar, num contexto de esperança e novas possibilidades, a experiência de ser queer numa África heterossexista. Para tanto, a pesquisa irá recorrer a trabalhos como os de Diawara (2007, 2010) e Adichie (2009) de modo a demonstrar como a proposta estética da diretora visa contrapor visões predominantemente pessimistas que o cinema projeta a respeito de países africanos. Adicionalmente, exploraremos a história de luta e resistência da diretora queniana para ver seu filme chegar às telas de seu país de nascimento e a importância que a exibição desta obra, nos cinemas do Quênia, teve como momento de celebração da existência de pessoas queer no continente africano. Essas discussões serão conduzidas a partir de contribuições como as de Louro (2008) e Green-Simms (2022) a respeito da importância do cinema queer criar histórias que mostrem a resistência e esperança diante de realidades opressivas.

https://doi.org/10.12795/Comunicacion.2023.v21.i02.01
PDF
EPUB
HTML

Citas

Adichie, Chimamanda (2009). TED Talk: O perigo de uma única histórica. Disponível em: < https://www.ted.com/talks/chimamanda_ngozi_adichie_the_danger_of_a_single_story/transcript?language=pt&subtitle=pt-br>. Acesso em 13.10.2023.

Bamba, Mahomed (2009). “Que modernidade para os cinemas africanos?”, em FORUMDOC.BH.2009. 13º Festival do Filme Documentário e Etnográfico -Fórum de Antropologia, cinema e vídeo., 2009, Belo Horizonte. Catálogo do Evento-Festival (pp. 183-190). Belo Horizonte, v. 00.

Diawara, Manthia (2007). A iconografia do cinema da África ocidental, em Meleiro, Alessandra (org.). Cinema no mundo: indústria, política e mercado: África (pp. 59-75). São Paulo: Escrituras Editora.

Diawara, Manthia (2010). African film: new forms of aesthetecs and politics. Munich; Berlim; London; New York: Prestel Verlag; Haus der Kulturen der Welt; Prestel Publishing Ltd.; Prestel Publishing.

Green-Simss, Lindsey B (2022). Queer African Cinemas. Durham: Duke University Press.

Johnstone, Lyn (2021). Queer Worldmaking in Wanuri Kahiu’s Film Rafiki. Journal of African Cultural Studies, 33 (1), 39-50.

Kahiu, Wanuri (2017). TED Talk: Fun, fierce and fantastical African art. Disponível em: https://www.ted.com/talks/wanuri_kahiu_fun_fierce_and_fantastical_african_art/transcript?language=en. Acesso em: 13.10.2023.

Kirui, Stacy (2018). Rafiki: On What It Means to Watch an Unbanned Film Seven Days in a Row, Every Single Day the Ban Was Lifted. Disponível em: https://popula.com/2018/11/27/rafiki/. Acesso em: 13.10.2023.

Louro, Guacira Lopes (2008). Cinema e Sexualidade. Educação & Realidade, 33 (1), 81-97.

Muñoz, José Esteban (2009). Cruising Utopia: The Then and There of Queer Futurity. New York: New York University Press.

Osinubi, Taiwo Adetunji (2019). Queer Subjects in Kenyan Cinema: Reflections on Rafiki. Eastern African Literary and Cultural Studies, 5 (1), 70-77.

Ravazzano, Lucas (2022). Memórias e afetos em “From a Whisper”. Revista Crítica de Cinemas Africanos. Disponível em: https://cinemasafricanos.com.br/?p=10. Acesso em 13.10.2023.

Stam, Robert (2003). Introdução à teoria do cinema. Tradução de Fernando Mascarello. Campinas/SP: Papirus.

Van Klinken, Adriaan (2018). Citizenship of Love: The Politics, Ethics and Aesthetics of Sexual Citizenship in a Kenyan Gay Music Video. Citizenship Studies, 22 (6), 650-665.

Creative Commons License

Esta obra está bajo una licencia internacional Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0.

Derechos de autor 2023 Lucas Ravazzano, Everaldo Asevedo

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...