Perspectivas de Liberdade e Igualdade na “Revolução” Baiana de 1798

Autores/as

  • Ricardo Antonio Souza Mendes Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.12795/araucaria.2021.i46.06

Palabras clave:

Bahia Colonial – 1798 – Revolução Baiana – Liberdade e Igualdade

Resumen

Um dos movimentos sociais antimetropolitanos de maior pluralidade social ao longo do período colonial, a Conjuração Baiana de 1798 caracterizou-se pela diversidade de concepções em torno das ideias de Liberdade e Igualdade. A abordagem do movimento aponta para a eficácia com que as elites coloniais canalizaram as contradições internas à sociedade baiana na direção de um antagonismo que colocava as causas de todos os males no domínio português. Analisando documentos elaborados ou difundidos pelos participantes - tais como as Décimas à Liberdade e Igualdade e os denominados “Pasquins Sediciosos”-, ou mesmo o material produzido pela repressão metropolitana – fundamentalmente os “Autos de Devassa” -, busco mapear as diferentes concepções de Liberdade e Igualdade apresentadas pelos partícipes da Conjura em fins do século XVIII no espaço colonial.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Ricardo Antonio Souza Mendes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - Brasil

 

 

Citas

AMARAL, Braz. Os confederados do Partido da Liberdade. Salvador: Imp. Oficial, 1922

ANDERSON, Benedict. Nação e consciência nacional. São Paulo: Ed.

Ática, 1989.

E. P.. A formação da Classe Operária Inglesa. - A Árvore da Liberdade. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1987.

GUINSBURG, Carlo. "Chaves do Mistério: Morelli, Freud e Sherlock Holmes", in: Eco, Umberto e Sebeok, Thomas A.(org). O Signo deTrês. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1991.

_________________ . GUINSBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes – cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela inquisição. Rio de Janeiro, Cia das Letras, 1987.

HOBSBAWN, Eric. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1990.

JANCSÓ, Itsvan. Na Bahia, Contra o Império: história do ensaio de sedição de 1798. São Paulo: Ed. Hucitec, 1996.

MATOSO, Kátia de Queiroz. Presença francesa no movimento democrático baiano. Salvador: Ed. Itapuã, 1969.

MATTOS, Florisvaldo. A comunicação social na Revolução dos Alfaiates. Bahia: Imp. Oficial, , 1974. (Coleção Estudos Baianos)

MOTTA, Carlos Guilherme. Ideia de revolução no Brasil: 1789-1801. São Paulo: Ed. Cortez, 1989.

RUY, Afonso. A primeira revolução social brasileira. Salvador: Ed. Progresso, 1995.

TAVARES, Luís Henrique. História da Sedição Intentada na Bahia de 1798. São Paulo: Ed. Pioneira/ Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1975.

___________________ . Da Sedição de 1798 à Revolta de 1824 na Bahia. Salvador: EDUFBA; São Paulo: Unesp, 2003.

Descargas

Publicado

2021-03-10

Cómo citar

Souza Mendes, R. A. (2021). Perspectivas de Liberdade e Igualdade na “Revolução” Baiana de 1798. Araucaria, 23(46). https://doi.org/10.12795/araucaria.2021.i46.06

Número

Sección

Las ideas. Su política y su historia