No bicentenário da contrarrevolução antiliberal de 1823 em Portugal

A vindicta contra o sistema político-constitucional vintista

Autores/as

  • Vital Moreira Universidade Lusíada
  • José Domingues Universidade Lusíada

DOI:

https://doi.org/10.12795/araucaria.2024.i55.02

Palabras clave:

Revolução Liberal; Contrarrevolução; Vila-Francada; Eleições; Portugal.

Resumen

Há duzentos anos (1823) triunfou a contrarrevolução da Vila-Francada, pondo fim à primeira experiência constitucional moderna em Portugal. De imediato, D. João VI determinou a revogação da Constituição de 1822, assim como das reformas adotadas para apagar a memória do regime constitucional anterior. Em simultâneo, a partir de uma iniciativa espontânea da Câmara da vila de Sernancelhe, formou-se um movimento municipal para anulação das próprias eleições às Cortes vintistas e revogação das procurações outorgadas aos deputados. Este artigo versa sobre ambas as iniciativas, régia e municipal, considerando sobretudo que a anulação municipal das eleições vintistas é muito pouco conhecida e está praticamente por estudar na historiografia sobre a contrarrevolução.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Citas

Andrada, Ernesto de Campos, Memórias do marquês de Fronteira e de Alorna D. José Trazimundo Mascarenhas Barreto ditadas por ele próprio em 1861, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1928 [Disponível em: http://purl.pt/12114 (consultado no dia 6 de janeiro de 2023)].

Arriaga, José, História da Revolução Portugueza de 1820, Porto, Livraria Portuense Lopes e C.ª – editores, 1886-1889 (4 vols).

Cardoso, António Manuel Monteiro, A Revolução Liberal em Trás-os-Montes (1820-1834): O povo e as elites, Edições Afrontamento, 2007.

Carvalho, Joaquim de, Obra Completa VI: História das Instituições e Pensamento Político, Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

Carvalho, José da Silva e Margiochi, Francisco Simões, Revolução Anti-Constitucional em 1823: suas verdadeiras causas e effeitos, Londres, Impresso por L. Thompson, na Oficina Portuguesa, 1825.

Castro, Zília Osório, “Tradicionalismo versus liberalismo: pensar a contra-revolução”, en Cultura: Revista de História e Teoria das Ideias, 16-17 (2003), pp. 83-103.

Castro, Zília Osório, “A nostalgia da eternidade e o ideário contra-revolucionário” [en Outros combates pela História, Coimbra, Imprensa da Universidade, 2010], pp. 509-520.

Daun, José Sebastião de Saldanha Oliveira, Diorama de Portugal nos 33 Meses Constitucionais ou Golpe de Vista sobre a Revolução de 1820: a Constituição de 1822: a Restauração de 1823. E acontecimentos posteriores até ao fim de outubro do mesmo ano, Lisboa, Impressão Régia, 1823.

Domingues, José, “A contrarrevolução de 1823 e a sua especial expressão em Braga” [en Remedios Morán Martín, coord.: Trienio Liberal, Vintismo, Rivoluzione (1820-1823). España, Portugal, Italia, Thomson Reuters: Aranzadi, 2021], pp. 553-570.

Domingues, José e Moreira, Vital, “O livro das atas da Junta Constituinte de 1823-1824 em Portugal”, en História (São Paulo), 40 (2021), pp. 1-32. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-4369e2021021.

Loja, António Egídio Fernandes, Crónica de uma Revolução: A Madeira na Revolução Liberal, Funchal, 2008.

Lousada, Maria Alexandre, “Entre tradição e modernidade: a cultura política contrarrevolucionária em Portugal 1820-1834” [en A Revolução de 1820: Leituras e impactos, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 2022], pp. 195-213.

Magalhães, Luiz de, Tradicionalismo e Constitucionalismo. Estudos de História e Política Nacional, Porto, Livraria Chardron, 1927.

Matos, Sérgio Campos, “Tradition and Modernity in Portuguese Liberal Political Culture – on the Topic of the Constitution”, en e-Journal of Portuguese History, 14-2 (2016), pp. 51-71

Mendes, Rui Manuel Mesquita, “Modelos do monumento do Rossio pelo artista Domingos António de Sequeira (1823)”, en Fragmenta Historica, 8 (2020), pp. 229-230 [Disponível em: http://hdl.handle.net/10362/120148 (consultado no dia 7 de janeiro de 2023)].

Mesquita, Pedro, O Pensamento Político Português no Século XIX, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006.

Moreira, Vital e Domingues, José, No bicentenário da Revolução Liberal I – Da Revolução à Constituição, Lisboa, Porto Editora, 2020a.

Moreira, Vital e Domingues, José, No bicentenário da Revolução Liberal II – Os 40 dias que mudaram Portugal, Lisboa, Porto Editora, 2020b.

Moreira, Vital e Domingues, José, Para a História da Representação Política em Portugal: A consulta pública de 1820 sobre as Cortes Constituintes, Lisboa, Assembleia da República: Divisão de Edições, 2021.

Moreira, Vital e Domingues, José, Em desespero de causa: A tentativa de convocar as Cortes antigas em 1820, Lisboa, Lusíada Editora, 2022. DOI: https://doi.org/10.34628/KY3Z-PQ03 .

Pereira, António José da Silva, “O ‘Tradicionalismo’ Vintista e o Astro da Lusitânia”, en Revista de História das Ideias, 1 (1977), pp. 179-204.

Pereira, António José da Silva, “Estado de Direito e ‘Tradicionalismo Liberal’”, en Revista de História das Ideias, 2 (1979), pp. 119-161.

Pipa, Álvaro, “Ecos da Revolução de 1820 em Braga”, en Boletim da Biblioteca Pública e do Arquivo Distrital de Braga, 2 (1954), pp. 130-135.

Ribeiro, Thomaz, Historia da Legislação Liberal Portugueza: Trabalhos das Cortes Constituintes: Revolução Liberal de 1820, Lisboa, Imprensa Nacional, 1891 (vol I).

Santos, Clemente José, Documentos para a Historia das Cortes Geraes da Nação Portugueza, Imprensa Nacional, 1883 (vol. I) [Disponível em: http://purl.pt/12101 (consultado no dia 6 de janeiro de 2023)].

Santos, Clemente José, Estatisticas e Biographias Parlamentares Portuguezas, Porto, Typographia do Commercio do Porto, 1887.

Silva, Armando Barreiros Malheiro da, “O discurso ideo-político de Faustino José da Madre de Deus. Contribuição para a história das ideias anti-liberais em Portugal” [en Estudos de História Contemporânea Portuguesa: Homenagem ao Professor Víctor de Sá, Livros Horizonte, 1991], pp. 163-182.

Silva, Armando Barreiros Malheiro da, Miguelismo. Ideologia e Mito, Coimbra, Livraria Minerva, 1993.

Torgal, Luís Reis, Tradicionalismo e Contra-Revolução: o pensamento e a acção de José da Gama e Castro, Coimbra, Universidade de Coimbra, 1973.

Torgal, Luís Reis, Essa Palavra Liberdade... Revolução liberal e contrarrevolução absolutista (1820-1834), Temas e Debates, 2021.

Vargues, Isabel, “Insurreições e revoltas em Portugal: (1801-1851): subsídios para uma cronologia e bibliografia”, en Revista de História das Ideias, 7 (1985), pp. 501-572.

Descargas

Publicado

2024-02-02

Cómo citar

Moreira, V., & Domingues, J. (2024). No bicentenário da contrarrevolução antiliberal de 1823 em Portugal: A vindicta contra o sistema político-constitucional vintista. Araucaria, 26(55). https://doi.org/10.12795/araucaria.2024.i55.02

Número

Sección

Las ideas. Su política y su historia
Recibido 2023-01-08
Aceptado 2023-02-24
Publicado 2024-02-02
Visualizaciones
  • Resumen 161
  • PDF 76